quinta-feira, 23 de abril de 2009

SAÚDE


“Venci o câncer por amor”

Rosane Costenaro Gomes teve câncer de mama, mas recuperou a saúde com o auxílio da família, amigos e por amor ao filho, Eduardo, enquanto realizava o tratamento médico

FOTOS STÚDIO C

ROSANE, COM O FILHO EDUARDO, NO INÍCIO DO TRATAMENTO CONTRA O CÂNCER DE MAMA



Editoria de SAÚDE

“Quando a gente descobre a doença é muito triste, mas temos que ser forte para enfrentá-la, com o apoio da família e do Espírito Santo de Deus, pois só ele sabe quando é a nossa hora. Mas também temos que fazer o tratamento correto, enfrentando todas as reações que ele causa na nossa vida”, ressalta Rosane Costenaro Gomes, 34 anos. Ela descobriu um nódulo na mama há mais de dois anos, enquanto ainda amamentava seu filho, Eduardo, na época com dois anos de idade.

Ela conta que ao ter descoberto que sofria de câncer de mama, acreditava que não iria agüentar. Fez uma viagem com o marido, João Paulo, e o filho para Maceió, a fim de aproveitar a vida. Porém, ao refletir, percebeu que deveria enfrentar a doença de cabeça erguida. Então, ela começou a quimioterapia em Curitiba, no centro de referência de combate ao câncer, no Estado do Paraná, Hospital Erasto Guetner.

Depois de um ano de tratamento químico, a sócia-proprietária da Banca do Portuga fez a cirurgia de retirada das células cancerígenas com sucesso. Hoje, ela ainda ingere medicamentos, mas em casa, e assim deve continuar pelo período de cinco anos, para evitar a reincidência da doença. “A gente pensa que vai morrer e a primeira sensação é de desespero, mas se não fosse a minha família me ajudar, como a minha irmã Rose Barbierini - que mora em Curitiba -, o amor ao meu filho, e os amigos, talvez eu não estivesse mais aqui”, diz Rosane, ressaltando a importância do apoio e auxílio de outras pessoas.

Ela acredita que foi por isso que não se deixou abater e se manteve firme no tratamento, até mesmo após as aplicações da quimioterapia. Rosane explica que esse processo tem uma carga emocional muito forte, além de cada organismo ter uma reação ao medicamento. O seu reagia com fortes enjôos nos dois primeiros dias após receber a quimioterapia, que esclarece, nada mais é do que um remédio injetado na veia para agrupar todas as células doentes e assim facilitar a remoção do nódulo durante a cirurgia. “O que me deixou bem abalada foi a perda do cabelo e dos pêlos do corpo, que já no primeiro mês do tratamento começaram a cair”.

Hoje, ela entende a importância do auto-exame e alerta a todas as mulheres que um simples toque pode lhes salvar a vida. Rosane acreditava que enquanto estivesse amamentando estaria protegida da possibilidade do câncer de mama e relaxou. Porém, seguida de sua intuição ela decidiu se examinar e se assustou ao perceber um nódulo em um dos seios. A princípio ela pensava se tratar de uma glândula mamária inflamada, mas o diagnóstico exato foi apontado com uma pulsão para coleta da célula, a fim de diagnosticar seu tipo.
“TEMOS QUE SER FORTE PARA COMBATER A DOENÇA E AGRADEÇO MINHA FAMÍLIA PELO APOIO,
ESSENCIAL NO PROCESSO”

Mesmo em tratamento, ela não parou de trabalhar. Atendia diariamente os clientes no empório, zelava pela família e mantinha os cuidados do filho Eduardo, sem se deixar abater. “A doença era só minha, disse meu médico. Então, eu tinha que enfrentá-la da melhor maneira. Continuei trabalhando, vivendo, e me cuidando”, disse a empresária, que mudou até sua alimentação. “Antes eu comia muita bobagem e nenhuma verdura. Agora eu mantenho uma alimentação saudável a base de ingredientes naturais, como chás, folhas verdes, frutas, além de evitar o açúcar”.

Uma consulta na internet lhe indicou o uso de chá de Erva Luiza e Unha de Gato, entre outros, para o combate ao câncer também. Agora, ela se mantém atenta a todas as atitudes e ações que promovam a saúde. Na orientação médica, Rosane, que antes não comia verduras, adicionou a sua mesa, a rúcula, a couve e os brócolis. Diz que está dez quilos acima do seu peso ideal, mas não liga, pois está feliz sem a doença.

Para quem sofre de algum tipo de câncer e está se tratando, a empresária se coloca a disposição para conversas informais sobre a doença, como ponto de apoio.

Câncer, caso de saúde pública

REDE VIDEIRENSE de Combate ao Câncer ajuda a promover a saúde de pessoas com a doença, além de preparar os familiares para o convívio e tratamento de amigos e parentes

FOTO PEDRO SCHAITEL

PRESIDENTE DA REDE VIDEIRENSE DE COMBATE AO CÂNCER

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) é referência nacional de qualidade na área da assistência e desenvolve extenso trabalho nas áreas de prevenção, controle, pesquisa e ensino. Desde o lançamento da Política Nacional de Atenção Oncológica (PNAO), em dezembro de 2005, todo o empenho foi dado na promoção de ações integradas do governo com a sociedade para implementar uma nova política, que reconhece o câncer como problema de saúde pública. Por isso, estrutura a realização das ações para o seu controle no Brasil através de parcerias.

Em Videira, para auxiliar na promoção da saúde e do combate a neoplasia que foi fundada a Rede Videirense de Combate ao Câncer, em 1999. A organização de caráter social e filantrópico funciona junto ao Departamento Social, onde a pessoa faz um cadastro e passa a receber acompanhamento social e encaminhamento clínico quando necessário. De acordo com a sua presidente, Rosa Cristina Dutra Zardo, a Rede tem como objetivo o desenvolvimento de ações que combatam o câncer na sociedade local e ainda incentive o trabalho voluntário na área. “A rede surgiu porque na época, o SUS não concedia tantos auxílios quanto ocorre hoje”, lembra a dirigente.

Dados locais referentes a 2008 apontam que a Rede Videirense atende aproximadamente 160 pessoas. Exatamente, são 95 mulheres, 64 homens e três crianças, segundo informou a presidente da organização. Ela salienta que é difícil ter acesso a dados gerais do município, pois têm muitas pessoas que se tratam por convênio médico, particular ou até mesmo pelo SUS ou fora da região. Portanto, este número diz respeito apenas as pessoas que cadastradas no Departamento Social da Secretaria Municipal de Saúde. Das quase 200 pessoas com câncer e atendidas pela Rede, os casos mais incidentes são de câncer de próstata no homem e o de mama na mulher.

Rosa explica que na prática, a organização atua da seguinte maneira: a pessoa se cadastrada na instituição e recebe a visita da assistente social, onde será verificada a necessidade de receber o beneficio de Amparo Social, orientação quanto os seus direitos sobre PIS, PASEP e FGTS, além de isenção de ICMS para a compra de veículo até. A Rede Videirense de Combate ao Câncer também orienta a pessoa acometida de câncer sobre outros direitos, como os relativos aos planos de saúde e o direito de acompanhante pacientes menores de 18 anos, em caso de internação. A respeito dos medicamentos, em alguns casos, quando a pessoa não consegue remédios específicos pelo Sistema Único de Saúde, a organização busca articular o fornecimento.

Porém, o foco da organização a partir deste ano será atuar no trabalho preventivo. No caso da mulher, a prefeitura dispõem de mamógrafo e ginecologista para atendimento especializado. Para o homem também, pois também existe a disposição na Rede Municipal de Saúde, um urologista. Mas, a presidente da Rede Videirense de Combate ao Câncer alerta a importância das pessoas em fazer o auto-exame e os exames periódicos, sem pré-conceitos.

Rosa tem percebido que o paciente de câncer tem merecido atenção especial do Estado e existe, por meio das instituições, das ONGs que ajudam e dão suporte de acordo com os seus objetivos, ações que visam aliviar a síndrome do câncer. “Às vezes, a família não está preparada para acompanhar o familiar que sofre da doença e esteja se tratando”, comenta a dirigente, salientando também o apoio psicológico quando necessário, e a formação de grupos de apoio. Além do tratamento clínico, os pacientes que necessitam de orientação psicossocial também são encaminhados para acompanhamento, gratuito, por meio do Centro de Atenção Psicossocial - CAPS.

De acordo com pesquisas da presidente da Rede, no Brasil, segundo a Organização Mundial de Saúde, são cerca de um milhão de novos casos de câncer por ano. Já conforme estimativa do Inca para o biênio 2008 e 2009, o Estado de Santa Catarina pode chegar a mais de 18,5 mil casos de câncer em homens e mulheres.

Trabalho Voluntário

A Rede Videirense de Combate ao Câncer atua por meio do trabalho voluntário e pela realização de eventos beneficentes. Neste momento, a instituição está formando a equipe de trabalho, que deverá ser dividida em núcleos, sendo eles de captação de recursos, de recuperação e reciclagem de roupas, de acompanhamento e apoio social, entre outros. Quem tiver interessado em realizar alguma atividade voluntária pode procurar o Departamento Social da Prefeitura de Videira. Após esta primeira etapa estar concluída, será realizado o planejamento anual da Rede para este ano.

Câncer de Mama

De acordo com estimativa do Instituto Nacional do Câncer, o número de casos novos de câncer de mama esperados para o Brasil no ano passado 2008 foi de 49.400, com um risco estimado de 51 casos a cada 100 mil mulheres. Na região Sudeste, o câncer de mama é o mais incidente entre as mulheres com um risco estimado de 68 casos novos por 100 mil. Sem considerar os tumores de pele não melanoma, este tipo de câncer também é o mais freqüente nas mulheres das Regiões Sul, Centro-Oeste e Nordeste. Na região Norte é o segundo tumor mais incidente.

O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum entre as mulheres. A cada ano, em torno de 22% dos casos novos de câncer em mulheres são de mama.

Câncer de Próstata

O número de casos novos de câncer de próstata estimados para o Brasil no ano de 2008 é de 49.530. Estes valores correspondem a um risco estimado de 52 casos novos a cada 100 mil homens Sem considerar os tumores de pele não melanoma, o câncer de próstata é o mais freqüente em todas as regiões com risco estimado de 69 por 100 mil habitantes na Região Sul, de acordo estudos do Inca. Em termos de valores absolutos, o câncer de próstata é o sexto tipo de câncer mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de câncer. As taxas de incidência deste tipo de câncer são cerca de seis vezes maiores nos países desenvolvidos comparados aos países em desenvolvimento.

* * *

Veículo: JORNAL CORREIO
Cidade: VIDEIRA/SC
Data da Publicação: 9 de abril de 2009


terça-feira, 21 de abril de 2009

Noite da Pipoca 2009


Adora filmes de suspense e de terror? Gosta de cinema brasileiro? Então essa é a oportunidade para conferir o último trabalho do ator e diretor brasileiro, José Mojica Marins. Mais conhecido como Zé do Caixão, ele é o convidado deste ano para a Noite da Pipoca, em Joaçaba.

O encontro acontece no dia 23 de abril, às 19h, no Auditório Afonso Dresh da Unoesc, com a exibição do filme “Encarnação do Demônio”. Após a apresentação, o diretor do longa metragem profere palestra, contextualizando a produção do filme e o cinema nacional. O evento é aberto para a comunidade e a entrada é um quilo de alimento não perecível.

“Encarnação do Demônio” conta a história de Zé do Caixão, personagem que após 40 anos preso numa cela para doentes mentais, finalmente, é libertado. Em contato com as ruas, o sádico coveiro está decidido a cumprir a mesma meta que o levou a ser preso: encontrar a mulher que possa lhe gerar um filho perfeito. Em seu caminho pela cidade de São Paulo, ele deixa um rastro de horror, enfrentando leis não-naturais e crendices populares.

Rota da Amizade

O empresário de Piratuba, Wilson Luiz
de Macedo, é o novo presidente da Rota da Amizade Convention & Visitors
Bureau (RAC&VB). Ele foi eleito por unanimidade em Assembléia Geral
Ordinária, realizada com a presença de empresários mantenedores, no dia 8 de
abril, no Senac em Joaçaba. A antecipação das eleições foi sugerida pelo
vice-presidente Jaime Telles, que respondia até então interinamente pelo cargo,
tendo em vista que a presidente Mariazinha Rossdeutscher continua em tratamento
de saúde.


TV por assinatura

Quem é assinante da Sky em Videira e região – com ponto extra - deve ficar de olho na fatura. Em pouco tempo poderá ter uma despesa a menos. Depois de quase um ano de discussões, a Anatel decidiu proibir a cobrança de mensalidade do ponto extra na TV por assinatura. As empresas poderão cobrar por eventos específicos, como instalação e reparo, e até parcelar, mas não poderá ser contínua. A decisão vale a partir do momento em que for publicada no "Diário Oficial" da União, mas só terá efeitos práticos caso seja derrubada liminar obtida pelas operadoras de TV paga para manter a cobrança.
VideiraFest

No início da semana os organizadores da VideiraFest
divulgaram que este ano não haverá a realização do evento. Uma lástima para a
população local, que tinha no mês de agosto, a cada dois anos,
entretenimento
diversificado. Uma alternativa cultural, de lazer e de
negócios para todos os
níveis. A festa mexe com a economia local e regional
com as atividades
sócio-econômicas que aconteciam paralelamente. Havia um
incentivo no negócio do
“Tio do Churros” até a Feira da Indústria e
Comércio. Talvez a união da vontade
política com o comprometimento
empresarial pudesse driblar a crise financeira,
fator que protelou o evento
um momento mais propício.

Wi-Fi na aula

É de domínio público que a internet vem facilitando a vida das pessoas
nos últimos anos, em vários setores e níveis sociais. No caso específico dos
estudantes universitários, estar conectado a rede mundial de computadores na
sala de aula é um instrumento, um meio a mais de informação. O estudante da
Unoesc Videira que usa laptop com sistema de internet sem fio (rede Wireless
Fidelity) poderia se beneficiar 100% com a tecnologia, caso a instituição
oferecesse o benefício aos alunos.


Samuvi

Mais de 50 pessoas compareceram ao encontro mensal da Associação dos Amigos do Museu do Vinho (Samuvi) na última terça-feira (14). Dessa vez, a reunião aconteceu na propriedade familiar de um dos associados, Denise Zago, em Iomerê. Comida típica, vinhos e música popular italiana, executada pelos próprios associados, foram os entretenimentos entre os presentes. Entre eles estava o prefeito de Videira, além de alguns integrantes do Legislativo Municipal.

Aquele Abraço!
Amanhã, domingo 19, é dia da Sandra Shoons assoprar as velinhas. Ela completa 25 anos e comemora com os amigos, claro, num big churrasco regado a cantoria. Parabéns “Lora”!


* * *

Veículo: CORREIO DE VIDEIRA
Distribuição: VIDEIRA - SC
Publicação: 18 de abril de 2009

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Caixa Lotada!



Tento ser prevenida sobre e-mails indesejados. Por isso tenho vários endereços eletrônicos, cada um para uma função específica. Um para trabalho e contatos urgentes, que está no meu Outlook para agilizar minha vida; outro para os dois blogs sociais que mantenho e um terceiro endereço para o blog de cunho “privativo”.

Tenho um quarto endereço que mantenho apenas para utilizar o MSN, embora algumas pessoas insistam em enviar mensagens, muitas vezes de relevância para lá. Além desses todos também há um cadastro no Gmail. Depois que a Google começou a comprar todas as empresas que utilizava os serviços de forma desassociada, me pareceu lógico manter uma conta única para acessar os produtos do grupo. Grande bobagem...

Porém, o que me traz nesse post é a minha caixa de mensagens funcional. Utilizo o Yahoo como provedor e gosto muito da empresa. Meu primeiro e-mail foi no Zipmail, mas esqueci a senha e o login, logo fiz um segundo, no Yahoo. Mas foi o terceiro, também dessa empresa, que espalhei em currículos, cartões de visitas, cadastros on line, amigos, contatos profissionais, e etc, que leva o meu primeiro e segundo nomes, como este blog. Acontece que as pessoas quando recebem um contato virtual para envio de material de trabalho, como fotos e informações adicionais como no meu caso, se acham no direito de ficar enviando correntes, piadas, desenhos, PPT ou PPS. Com que direito, com qual autorização?

Diariamente eu recebo uma média de 50 mensagens, no mínimo. Destas, 40 (ou 80%) são correspondências de conteúdo completamente duvidoso, desnecessário, sem utilidade intelectual e, na maioria das vezes, nem divertido. Não é nada legal quando se espera baixar 15 e-mails num total de 35 MB. E quando o download está concluído, quase 20 minutos depois, adivinhem? Aquela mensagem que tanto estava esperando ficou presa entre recados “fofos” e de incentivo ao bom humor - que no final te deixam mais pu@*# da cara do que equilibrada -, e ao chegar ao teu conhecimento, muitas vezes é tarde demais.

Para ajudar, teus colegas de profissão, que sabem que teu provedor de internet é limitado, lento e que freqüentemente enfrenta problemas de conexão, te envia fotos em alta resolução, de 2 MB cada imagem, quando na verdade tu precisa que a qualidade seja de no máximo 300 dpi. O colega, que entende de pixels e megapixels... Já os leigos preferem não sofrer e nem fazer o destinatário sofrer com mensagens pesadas e tem a delicadeza de “ziparem” ou compactarem as imagens.

Isso tudo, claro, sem falar dos Spams. Até porque para esse mal, um programa específico de deixa longe de mensagens inoportunas. Menos, é claro, daquelas que vem de pessoas inconvenientes. Daí, o único jeito mesmo é fazer que nem o cara aí de baixo.

terça-feira, 7 de abril de 2009

Dia do Jornalista

Parafraseando uma colega e amiga:

Aos colegas desta incauta, insana e maravilhosamente avassaladora profissão; meus cumprimentos!

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Aqui é um jornalismo diferente?


Não! Jornalismo é igual em qualquer lugar do Mundo. Não existe isso de jornalismo no interior e o de cidade grande. Existem mercados diferentes, públicos diferentes, interesses diferentes, profissionais, amadores, verdades, mentiras e paciência. Muita paciência... Agora, jornalismo diferente não.

Uma coisa é certa: cada cidade tem a mídia que merece, os anunciantes que merecem, o leitor e as fontes que merecem. Com isso, o profissional da comunicação que não se adaptar tem poucas opções. Ou se adapta ao mercado local, ou tenta mudar (para melhor) ou vai embora. Eu, muitas vezes quis ir embora, agora estou adotando a posição de querer mudar o sistema para aquele ao qual tenho referência. Sinto muito, mas também considero melhor do que existe aqui.

Por exemplo, esse negócio de ter paciência para a fonte se preparar significa duas coisas para mim: gentileza e interesse profissional. Mas, deixar que a fonte, que no caso deveria ser referência no assunto no município, pois é uma instituição representativa, de categoria e pública, à vontade para se preparar é coisa de assessor de imprensa, que sempre acha que tem razão. E não estou sendo pré-conceituosa ou prepotente. Falo com experiência de causa, pois já fui assessora e também agia de acordo com os interesses dos meus clientes.

A regra para dizer não ou tenha paciência, ou espere até a fonte estiver preparada é a de sempre e utilizada em todo o Mundo: boa educação e bom relacionamento com os colegas da mídia. Dessa forma, o que o cliente quer vira lei, de acordo com o planejamento de comunicação traçado, claro. O que, na contramão, não é o caso de Videira que desconhece o significado de planejamento organizacional. Aqui, os assessores de imprensa ainda estão no tempo do trabalho tarefeiro. E se o assessorado diz que não está preparado para dar entrevista, ele não dá e também não prevê uma data para quando estará.

Só que isso funciona para o seu representante midiático apenas. Já estou cansada de ter que trabalhar de acordo com a linha editorial que os empresários, os políticos e os diretores de jornais vendidos querem. O único sapo que tenho que engolir, a contragosto e ainda manifestando opinião, é do jornal ao qual trabalho e também não serei ingênua de pensar que vou mudar a forma de agir e pensar dessas pessoas. Eles são os donos de jornais e a linha editorial é dada (ou vendida) por eles e discordando ou não, nisso eu não tenho ingerência, além do fato de poder juntar meu "lápis e bloquinho" e cair fora, se algo estiver me agredindo muito.

Porém, dá para educar a fonte, os colegas, o mercado de atuação em si. No caso, quem representa uma organização de apoio social, mantida pela administração pública, não pode se omitir por muito tempo, como neste caso específico. Nós da imprensa não temos que ficar a mercê da boa vontade de todos, que pensam que podem fazer o que quiser. Independente se mostra ou não “as verdinhas”.

domingo, 5 de abril de 2009

Antecipação ou Organização?

Tanto faz! O que vejo que é comum a gente sofrer por antecipação ou gastar aquele dinheiro que nem recebemos ainda, ou criar expectativas positivas sobre algo que queremos muito que aconteça. Ao que parece, os partidos começam a se articular, já, para as eleições estaduais de 2010. Não sei é antecipação ou organização deles, mas a articulação começa a ocorrer. O que me surpreende é que a respeito das paixões da maioria dos brasileiros a coisa não tem sido assim. Por exemplo, no futebol, a Copa do Mundo também acontece, também, no próximo ano, na África do Sul, e mesmo assim nem um cochicho ouço por aí. Será que eu, com meus pensamentos desorganizados, estou me antecipando sobre algo que verei pela tevê, com amigos?


Coraline na telona

Pra quem é fã de animação na telona, como eu, é melhor não perder o filme do diretor Henry Selick, que diz que a película é para crianças corajosas de qualquer idade. O filme, adaptação do livro de Neil Gaiman, fala de Coraline, uma criança não sorridente. Ela é chata, reclamona e não faz amizades facilmente (com exceção da primeira e última característica, até que ela se parece comigo). Ela se muda com os pais para uma casa no interior e precisa se acostumar com a vizinhança esquisita. Como resultado, começa a explorar a casa onde mora e encontra, num cômodo vazio da casa, uma porta secreta que dá para um mundo “perfeito”.
O desenho é feito nos moldes de antigas animações, com, ao que parece, bonecos e miniaturas delicadamente esculpidas, uma representação fascinante do mundo de verdade. Um último detalhe é o formato 3D, parte quase fundamental da fantasia narrada na tela. Agora é só prestigiar o filminho, que está passando no Grupo Cine Videira Shopping, às 15h15, hoje e amanhã, e de segunda a quinta-feira, às 17h15.
Papel reciclado
Esta semana o assessor de imprensa da Câmara de Vereadores me explicou que um vereador não pode gerar despesa ao município. Por isso, a minha idéia de implantação de uma usina de reciclagem para gerar emprego e renda em Videira, no lugar da obrigatoriedade de compra de papel reciclado, pelo menos em 10%, nas repartições públicas, é inócua. Ou seja, como os departamentos já adquirem material de escritório mesmo, que continuem, mas de forma menos agressiva ao meio ambiente. Por isso acho louvável o projeto do vereador Léo Bom, mas, no geral, ainda considero pouco... Mesmo que o Legislativo seja impedido de algo mais completo e funcional devido suas normas.

Em Xaxim


Moradores e visitantes que passam pela Praça Frei Bruno, na cidade de Xaxim, se encanta com a decoração temática do local. Ali, até parece que mora o coelho da Páscoa, aliás, vários coelhos e de diversos tamanhos. Além de encantar aos olhos, os bichinhos artesanais devem proporcionar a reflexão dos adultos ao verdadeiro sentido da data e festa cristã. Sem falar no estímulo as compras do período no comércio local. Talvez seja o momento dos lojistas, associação da classe, administração pública se unirem e começar a aderir a essa idéia de Xaxim, além da tradicional decoração Natalina.

Cigarros

Há pouco mais de cinco meses eu parei de fumar os 20 cigarros diários que consumia. Dois motivos me levaram a deixar um hábito, que embora não saudável, apreciava muito. Parei porque não possuia mais resistência física e um histórico de problemas vasculares na família me fez refletir de que era hora de auto promover a saúde. O outro foi financeiro, claro. É caro fumar e vai ser assim cada vez mais, com o governo federal impulsionando os impostos sobre o produto. Os fumadores pagarão mais pelo tabaco consumido. Os preços dos cigarros vão ficar entre 20% e 25% mais caros com o aumento dos impostos incidentes sobre o produto. Talvez outras pessoas dêem um basta no vício com a situação, assim como eu, que troquei o fumo pela natação.

Bolsas de Estudos

Chamou atenção de algumas pessoas que estudantes que possuem condições financeiras e sociais de custear sua formação superior, se inscreveu no programa de concessão bolsas de estudos da Prefeitura Municipal. Não que isso seja proibido, afinal, a inscrição era aberta a todos os estudantes videirenses que freqüentam o ensino superior particular no município ou municípios vizinhos, num raio de 100 Km da cidade de Videira. Porém, o foco ou público alvo do programa é o estudante carente. Aquele que está dentro do perfil de renda, que se justifica a concessão do benefício. Só espero que a comissão de análise e seleção tenha ficado atenta e disponibilizado o valor de ajuda aos estudantes que realmente necessitam do benefício.

CURTAS

- É freqüente presenciar a impaciência de motorista, motociclistas e pedestres pelas ruas de Videira. O que não pode acontecer é o desrespeito entre as pessoas. Troca de ofensas no trânsito não ajuda nada, pelo contrário.

- Cada vez que vejo um novo negócio pela cidade, fico satisfeita. É sinal que as pessoas estão buscando prosperar na vida ou vencer a crise financeira, que começa a mostrar seus reflexos pelo Brasil. Há algumas semanas um mercado foi implantado na Rua Saul Brandalise, ao lado da escadaria Luiz Leoni.

- Bom atendimento, simpatia e pré-disposição devem ser ressaltadas em lojas do comércio local. Na Joalheria e Óptica Sebben o cliente, ou não cliente como eu, entra e é bem recebido, além do problema resolvido, na medida do possível.

- No contra-atendimento está o serviço de entrega de correspondência no bairro Santa Tereza. A carteira solicitou minha presença num tom de voz tão ríspido e incrédulo, que nem o sorriso e o bom dia após a entrega da correspondência dissolveu tamanha antipatia.