quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Rijab, o véu das muçulmanas




Acessório faz parte das vestimentas da mulher que segue o modo de vida islã e serve para evitar a luxúria masculina

ELAINE BARCELLOS DE ARAÚJO
Jornal Correio de Videira


Madiha Kamal Eldin é egípcia, não fala português e está em Videira a trabalho. Ela é médica veterinária e faz o acompanhamento do processo de abate da carne que será exportada para o seu país. O procedimento tem que seguir os preceitos do islamismo, que orienta o comportamento e o modo dos muçulmanos. Como a mulher, que também seguem os encaminhamentos islâmicos. Madiha, independente do país que esteja, faz uso do véu - o rijab. Com ele, não deixa a mostra o seu corpo, evitando assim a luxúria nos homens.

O rijab, véu que cobre a cabeça da muçulmana, deixa a mostra apenas o rosto. A peça faz parte da vestimenta da mulher que é orientada desde pequena a evitar roupas justas e transparentes. Apenas mãos e rosto podem ficar descobertos quando ela estiver em público ou na presença de pessoas estranhas. Para as filhas de Allah ficarem a vontade, apenas perante a família (marido, filhos, pais, sobrinhos e sogros) e de empregadas domésticas. As exceções também compreendem crianças do sexo masculino até a puberdade, quando ainda não possuem consciência da nudez, ou na terceira idade.

O guia religioso explica que o rijab e as regras de pudor para a mulher da comunidade não faz parte apenas da orientação religiosa, mas de algo mais amplo, como uma conduta de vida. Abdullah Buanamade explica que tanto o homem quanto a mulher devem manter suas intimidades cobertas. No caso do muçulmano, ele não deve expor do umbigo até os joelhos, por exemplo. “O islamismo não se limita a apenas rituais religiosos. É mais do que isso, é um código de vida para nós”, ressalta ele, que ainda complementa informando que o islã lamenta a exibição do corpo feminino para agradar ou atrair homens estranhos.

O seguidor de Allah percebe que as pessoas que desconhecem o modo de vida deles, vêem este modo de vida com receios. Mas ele lembra que o uso do véu é um hábito antigo, milenar. “Ninguém pode dizer que viu o físico de nossa senhora”, recorda ele sobre a imagem da mãe de Deus já propagada sob o véu.

O uso do rijab surgiu entre os muçulmanos com o movimento sionista, que tinha o nudismo da mulher como meio da destruição humana, da cobiça e luxúria. Eles acreditam que a exibição da forma física feminina sob roupas justas ou transparentes vai de encontro a natureza da mulher, da sua honra e dignidade.

Foto Google

5 comentários:

  1. Como mesmo dissestes, quem vive fora da comunidade fica difícil entender essa forma de vida. Quando entrevisto o Sheik, ele sempre se apóia no livro sagrado. Eu entendo que o que é sagrado, é de Deus ou de seres superiores. Por isso, mesmo tendo me mantido imparcial frente a ele e na produção da matéria, ainda tendo a crer que o islamismo é uma doutrina religiosa. Não quero minimizar, mas como os muçulmanos sempre fazem referência a Allah, Deus ou Amado, associo de cara. É fácil confundir.

    Bjo.

    ResponderExcluir
  2. Oi pessoal! gostei da Materia relacionada as vestimentas da mulher. no meu ponto de vista, mostrou a solução islâmica alternativa desta situação e que coaduna com o estado natural do ser humano. repedindo da palavra do Sheikh Abdullah, porém, as pessoas que desconhecem o modo de vida e bem como a ciência eduacional da moral no islam, vêem este modo com receios e sempre será assim até nos finais do tempo.

    A filosofia moral no islam é baseada na adaptação da conjugação de todos os instintos, e na organização das relações e comportamentos humanos de acordo com aconcepção da crença islâmica e com organização que emana dessa concepção.

    Isso é a estrutura que assenta todos os assuntos da vida social, econômicos e politicos, individuais e coletivos, de acordo com bases morais, para a sua adoção e seus resultantes sejam morais.

    E o que me deixa meio confuso é a colocação Abdulk Hakim, no seu comentario que A mulher pode mostrar as partes do corpo que quiser,alecando que o Alcorão, Livro Sagrado, recomenda mesmo o recato, embora sem especificar o que pode ou não ser mostrado.

    Todavia e exclarecer que essa afirmação é falsa e não me restando duvida que ele não sabe nada do alcorão e bem como do Islã. porque o uso de RIJÁM é um assunto sagrado e que tem suas raizes dentro do alcorão Sagrado como segue: Ó profeta, dize a tuas esposas, a tuas filhas e
    ás mulheres dos crentes que se cumbram com suas mantas, isso é mais conveniente para que se distingam das demais, e não seja molestadas: e Deus é Indulgente, Misericordioso.

    A a Esposa do profeta narra que sua irmã, foi visita-la, usando vestimenta trasparentes. O profeta lhe disse: Ó Asmá, quando a mulher atinge a puberidade, só ilhe é permitido mostrar rosto e mãos.

    No outro assuntos seria o qyue ele tem que esconder de ser Gay, pós o ato de ser gay não faz parte do islâm, e seus praticantes foram amaldiciados antes do profeta Muhammad, para os que lêe as escritura sagradas sempre que se deparar com um gay se lembra do povo do Lot, isso bem longe da profecia do Muhammad, e deste a epoca do Lot, até esta data são considerado depravados, para o verdadeiro muçulmano, jamais se tornará homossexual. Na visão Islamica o Homossexualismo é uma perversão antinatural, deplorável, que agride a hombridade, a masculinidade e a honra, e o profeta do Islam disse: O meu maior temor é que minha comunidade pratique o homossexualismo e Ele amaldiciou os homossexualismo por três vezes. E disse: A maldição de Deus recairá sobre quatro tipós de pessoas: Os efeminados, as masculinizadas, os que tem relações com animais e homossexuais.

    Obrigado Gente

    Att:

    Silva Amade

    ResponderExcluir

Troque uma ideia comigo sobre essa profissão perigo...