segunda-feira, 12 de outubro de 2009

A difícil arte do jornalismo diário



Que coisa difícil apurar a informação, pesquisar, verificar fontes confiáveis, definir pautas... É muito mais complexo quando se tem que fazer tudo isso e ainda produzir a pauta do dia. No final do expediente, a mente está tão cansada, que tudo que se imagina é ficar alienado em frente a tevê [agora eu tenho uma, justamente, para me distrair].

No interior, tudo é “roots” e como qual, bem arraigadas. Considero uma arte fazer jornalismo diário em cidade pequena, onde há muitos interesses e pouca ousadia. Onde muita gente pensa que se é o rei da cocada preta, sem nem ao menos querer saber a procedência do coco. Mesmo assim, cada profissional tenta inovar, buscar novas ferramentas de trabalho, novas técnicas de apoio, atualizações nas formas de escrita e assim por diante. Mesmo longe dos grandes centros, onde se tem acesso facilitado a informação e a formação, as “margens” também buscam aprimoramento.

O problema é que no jornalismo roots do interior muitas vezes se tem que apurar, editar e vender publicidade. Daí, nesse processo todo, qualidade é o que menos se presa, quando no meio do processo a preocupação é unicamente com o resultado nas bancas. O telefone só toca, o email só é repassado, quando se trata de reclamações. Quando o assunto agrada, a abordagem é excelente, mesmo que não tenha sido. E se foi, tanto faz, porque as felicitações acontecem muito pouco.

Felizmente disto eu não tenho o que reclamar. Ouço as pessoas hora falando bem, hora mal. Às vezes elas têm razão, muitas vezes não. Isso me basta. Já contribui no meu processo de maturação pessoal e profissional.

Mas ainda penso: como explicar que não se pode assoviar, cantar e ainda chupar cana ao mesmo tempo em que se pensa em manchete espetacular? Não dá. E ainda assim, ao final de tudo, o mais fácil sempre será escrever. Mais nada.


Pra por no carrinho de compras e depois na cabeceira



Jornalismo Diário busca responder as dúvidas mais comuns de jornalistas iniciantes ou que já estão trabalhando em Redações. Apresenta, passo a passo, lições e dicas da área, desde como saber o perfil de um bom jornalista até os primeiros dias na reportagem, passando por autoavaliações, principais ferramentas de trabalho, apuração, entrevistas, fontes, lides e estilo, e como ingressar no mercado de trabalho. A autora ministra o Programa de Treinamento da Folha há mais de dez anos, tempo que lhe permitiu dar exemplos de boas práticas para aprimorar as habilidades das pessoas interessadas na tarefa do jornalismo.

Título:
Jornalismo Diário

Subtítulo:
Reflexões, Recomendações, Dicas e Exercícios

Autor:

Editora:
Publifolha

Um comentário:

  1. Engraçado que os melhores jornalistas que há parecem ser as mulheres. aqui em Beltrão, na feira do livro deste ano, teve um detaque especial para o tema "Literatura e Jornalismo", e é incrível como as mulheres sempre conseguem retratar e por no papel um pedaço da realidade que muitas vezes passaria despercebido para os homens.
    Dizer aos outros qualquer coisa que os faça pensar não é fácil mesmo, não é? Mas quem sabe, sabe.

    ResponderExcluir

Troque uma ideia comigo sobre essa profissão perigo...