terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Estados registraram mais jornalistas sem diploma


[Izabela Vasconcelos - Comunique-se]

Acre, Mato Grosso, Piauí, Roraima e Rondônia registraram mais jornalistas sem graduação na área do que profissionais diplomados. Neste ano de 2010, 35% do total de registros concedidos a jornalistas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) foram conferidos para os profissionais não formados em Comunicação Social.

Veja tabela abaixo:

ESTADO NÃO DIPLOMADO DIPLOMADO

Acre 17 13
Mato Grosso 57 38
Piauí 34 31
Roraima 10 6
Rondônia 37 18

São Paulo é a unidade federal que possui o maior índice de registros gerais, com 1.534 diplomados e 1.349 sem formação específica na área. No total do País, 5.068 pessoas foram registradas com a denominação Jornalista Profissional e 2.764 como Jornalista/Decisão STF.

O primeiro registro é concedido para jornalistas diplomados, o segundo, aos que não possuem graduação em Jornalismo, mas atuam no setor. A medida foi adotada após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, em junho de 2009, derrubou a exigência do diploma para atuar na profissão.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Liberdade de Expressão


Brasil sobe no ranking mundial


De acordo com um ranking mundial de liberdade de imprensa realizado pela organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e divulgado nesta quarta-feira, 20, o Brasil passou a ocupar a 58ª posição. O país subiu 13 posições graças a uma "evolução favorável na legislação" sobre o tema, de acordo com a entidade.

Segundo o Portal Imprensa, o responsável pela atuação da RSF nas Américas, Benoît Hervieu, declarou que as eleições deste ano também contribuíram para a colocação do Brasil no ranking: "Um passo positivo foi dado às vésperas das eleições, com a revogação da lei que proibia caricaturar políticos". Além disso, Hervieu citou a ausência de violência grave contra a imprensa, maior sensibilização do poder público ao acesso à informação e o fato de o país ter uma "das comunidades mais ativas na Internet".

Para Hervieu, as medidas judiciais que impedem a mídia de divulgar "nomes e sobrenomes" em determinadas matérias são "ridículas", e que a Justiça brasileira sofre influência política. Sobre as críticas feitas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a imprensa recentemente, o representante da RSF declarou que a posição adotada pela mídia em repercutir as declarações de Lula dizendo que "são uma ameaça à imprensa é exagerada".

Em um capítulo intitulado ‘Crescimento econômico não quer dizer liberdade de imprensa’, o Brasil foi o único país do grupo dos países em desenvolvimento que engloba Rússia (140º), Índia (122º) e China (171º) - a evoluir no ranking. No ranking, Finlândia, Islândia, Holanda, Noruega, Suécia e Suiça aparecem empatados em primeiro lugar. No final da lista estão Turcomenistão (176º), Coreia do Norte (177º) e Eritréia (178º). Em maio deste ano, a organização divulgou uma lista sobre liberdade de imprensa em que o Brasil havia subido do 82º para o 71º lugar.

FONTES
- Coletiva [texto]
- Chave do Buraco [ilustração]
- Zé Oliveira [cartunista]

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

PEC DO DIPLOMA: depois do segundo turno

Adiamento é em função do baixo quórum de parlamentares, envolvidos com as eleições

O Senado Federal decidiu adiar para depois do segundo turno das eleições a votação das Propostas de Emenda Constitucional. O motivo seria a falta de quórum parlamentar. Assim, a PEC 33/09, que prevê a retomada da exigência do diploma para o exercício da profissão de jornalista, é adiada pela terceira vez. De autoria do senador Antônio Carlos Valadares (PSB-CE), a proposta seria submetida ao plenário junto com outros 68 projetos.

A agência Senado informou que os senadores chegaram a levantar a possibilidade de se fazer um rodízio para que haja quórum e promover votações a cada semana, mas nada foi definido até o momento da produção desta notícia.
Fonte: COLETIVA

domingo, 5 de setembro de 2010

O Brilho de Alice

Acompanhada do marido e de muitos amigos, a jornalista fez revelações para Ostermann em um Encontros com muita emoção e risadas.



Vestida de preto dos pés a cabeça - sua marca registrada - , uma divertida Alice Urbim subiu ao palco do Encontros para falar com Ruy Carlos Ostermann. Com o apoio do marido, Carlos Urbim e dos amigos Marô Barbieri, Cintia Moscovich, Luiz Paulo Faccioli, Tânia Carvalho, Laura Medina e Zoravia Bettiol, que a acompanhavam da plateia, Alice fez revelações íntimas que surpreenderam até mesmo os mais próximos. Exemplo disso foi a história sobre a origem de seu segundo nome, Inês: por uma graça alcançada na ocasião de seu nascimento e uma promessa feita à Madre Justina Inês, ela teria se chamar ou Alice Justina ou Alice Inês.

Menina estudiosa, a jornalista recordou que chegou a mentir na escola para poder ficar na biblioteca: "Os alunos católicos iam pra missa todas às sextas-feiras. No 3º ano do primário [atual 3ª série], descobri que os evangélicos não iam à igreja e ficavam na biblioteca. Aí eu menti para a professora que eu era evangélica", divertiu-se.

Dizendo-se uma pessoa urbana, Alice disse que gosta caminhar pela cidade e que alguns amigos a chamam de "pessoa roteiro": "Porque eu adoro estar em todos os lugares durante todo o dia". Apaixonada pelo teatro – ela chegou a ter uma produtora em sociedade com Ligia Walper – contou que, ao lado da amiga Zoravia Bettiol, consegue acompanhar todo o Porto Alegre Em Cena. Segundo ela, a dupla chega a assistir até três peças por dia, durante o período do festival.

Apaixonada pela vida, a jornalista acredita que herdou a alegria e a energia dos pais: "Eu adoro viver. A vida para mim é uma coisa muito importante. Tenho plena certeza de que nossa vida é do jeito que a gente a encara. A paixão de viver, a vontade de encontrar outros caminhos para a vida vem dos meus pais. Minha mãe era uma pessoa de garra, extremamente dinâmica, que sempre trabalhou fora de casa".

Encerrando o evento, atendendo a um pedido da entrevistada, Duca Leindecker fez a canja musical da noite.


PERFIL DO CONVIDADO

Alice Urbim atua como jornalista, roteirista e produtora executiva desde 1974, tendo trabalhado em empresas de comunicação, agências de publicidade produtoras culturais no Rio Grande do Sul e Brasil. Em jornais, colaborou com os veículos Hoje, Zero Hora, Diário do Sul e Gazeta Mercantil.

Com experiências nas áreas de produção local e divulgação, marketing político e consultoria de programação, Alice foi professora universitária na Faculdade de Comunicação da PUCRS por oito anos. Também foi idealizadora do Projeto Caras Novas da RBSTV - Curso de Telejornalismo e Produção Aplicado para alunos recém-formados.

No cinema, coordenou a produção dos longas-metragens Sonho Sem Fim, de Lauro Escorel, e Noite, de Gilberto Loureiro. Produziu ainda os curtas-metragens Carrossel, de Antonio Carlos Textor, e Au revoir Shirley, de Gilberto Perin.

Com passagens pela TV Guaíba e TV Pampa, desde 1999 é gerente de produção da RBSTV, participando do grupo que criou um núcleo de produção de ficção e documentários. Atualmente, é responsável pelo desenvolvimento de projetos e programas especiais e coordenação de programas como Patrola e Galpão Crioulo, entre outros.

Em 2004, assumiu a gerência de produção da TVCOM e a coordenação nacional do Input (International Public Television), conferência internacional que discute e apresenta anualmente o que se faz de melhor na televisão no mundo. A partir deste ano, tornou-se representante da RBSTV no Conselho Curador da Fundacine e membro da Academia Internacional de Televisão, Artes e Ciências.

CANJA MUSICAL

Duca Leindecker começou a tocar aos 11 anos de idade. Desde então, construiu uma sólida carreira como instrumentista, compositor, produtor, cantor e escritor.

No início dos anos 1990, chamou a atenção de Bob Dylan com o qual, a convite, viajou pelo Brasil. Foi escolhido o melhor guitarrista do ano pela crítica especializada por três temporadas consecutivas.

Como escritor, publicou dois livros: A Casa da Esquina (1999) e A Favor do Vento (2002), ambos pela LP&M Editores. Mais recentemente, passou a atuar como compositor de trilhas sonoras, em filmes como Diário de um Novo Mundo (2005) e A Casa Verde (2008), ambos longas-metragens dirigidos por Paulo Nascimento, e como diretor de cinema (com o curta-metragem Chá de Frutas Vermelhas).

Líder da banda Cidadão Quem, atualmente dedica-se ao projeto Pouca Vogal ao lado de Humberto Gessinger. Em 2010, recebeu dois troféus do Prêmio Açorianos de Música, no gênero Pop Rock, nas categorias Melhor Intérprete pelo disco Ao Vivo em Porto Alegre (do Pouca Vogal) e Melhor Instrumentista.

TEXTO E FOTOS:

terça-feira, 31 de agosto de 2010

JB Impresso: morto e encerrado


FOTO: AFP


O JB sempre foi um jornal de vanguarda. Ele era um dos impressos mais antigos do país em circulação e o que saia publicado em suas páginas era informação com credibilidade. Se saiu no Jornal do Brasil, então era verdade...

Era o meu favorito. Sempre com notícias e fatos relatados de forma simples e direta. Sem meias palavras e com fontes sérias. Quando estagiava em assessorias de órgãos públicos, o rejeitado JB vinha parar na minha mesa. Eu agradecia, diariamente. Há quem preferisse O Globo ou O Estadão. Eu não...

Meu sonho era ser repórter do JB. Aceitava, inclusive, o fato de ter que morar no Rio de Janeiro – cidade que considero maravilhosa, mas cujas grandes distâncias me fazem arrepiar.

Quando estive por lá, durante cinco meses, meu primeiro veículo em busca de trabalho foi lá. Quando passava pela Avenida Brasil, via de longe o letreiro do prédio que por muitos anos abrigou a redação do JB. Mas foi nas novas dependências, no Centro da cidade maravilhosa, que deixei meu simplório currículo, de uma estudante de jornalismo em fase final de curso. Naquela época, era já o reflexo da crise financeira que a empresa familiar passava.

Mesmo com os alicerces fragilizados, a empresa nunca deixou de ser inovadora. O tradicional impresso, criado em 1891, foi o primeiro a ter edição online - em 1995. Os outros engatinhavam ainda ou arrepiavam a ameaça virtual sobre a possível extinção das edições impressas. Agora, a partir de amanhã, o JB trará suas manchetes apenas pela internet, com acesso "free" durante 15 dias aos navegadores da rede mundial de computadores. Depois, só por assinatura.

Os funcionários, desgostosos da situação atual, protestaram hoje. Eu também lamento... Mas parece não ter volta. Afinal, o velório da versão impressa do JB correu por agências de notícias, sites e edições virtuais de jornais de todo o Brasil ao longo do dia. Amanhã o assunto já estará morto e encerrado.

LINK

sábado, 28 de agosto de 2010

Blogues x Grande Mídia

Blogues assumem a contra-informação no Brasil




323 jornalistas e comunicadores se juntaram para discutir o poder e o alcance dos blogues e debater a comunicação – de maneira geral – em São Paulo (SP), durante o 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas. O encontro ocorrido entre os dias 20 e 22 de agosto aproximou uma rede em expansão na internet de blogueiros conhecidos por fazerem o contraponto jornalístico dos fatos e opiniões da grande mídia.

Os jornalistas se classificam como independentes e ativistas dos movimentos sociais. O uso do blog foi a maneira que encontraram para driblar o bloqueio midiático a determinados assuntos e combater a concentração dos veículos de comunicação no Brasil.

A Radioagência NP conversou sobre o Encontro de Blogueiros com um dos organizadores do evento, o jornalista Rodrigo Vianna. Rodrigo também é diretor de Comunicação do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, que articulou o fórum. Acompanhe.


Radioagência NP: Rodrigo, a partir do encontro, os blogueiros se dispuseram a fazer reuniões em pelo menos 19 estados brasileiros. Você considera que esse primeiro encontro foi um marco da comunicação social no Brasil?

Rodrigo Vianna: Sim, foi um marco da comunicação no Brasil, inclusive isso acabou entrando até na agenda da campanha eleitoral. Um dos candidatos que está meio nervoso nas últimas semanas chegou a fazer uma declaração desqualificando os blogues. Mas, na verdade, passou um recibo da importância relativa que os blogues já tem no debate em comunicação no Brasil. Em muitas cidades há dezenas de blogueiros que conseguem ser um contraponto à imprensa escrita tradicional, ou seja, a velha imprensa brasileira que é controlada por meia dúzia de famílias. Então é um marco porque ele colocou frente a frente as pessoas que estão fazendo esse contraponto e essa rede dos blogueiros, que já é forte, vai ficar mais forte ainda a partir do Encontro.

RNP: O que seria o Partido da Imprensa Golpista (PIG)?

RV: Olha esse termo PIG, que é um termo bem-humorado para se referir a esse Partido da Imprensa Golpista, surgiu a partir de um discurso de um deputado federal Fernando Ferro (PT/PE). Ele ele estava fazendo justamente a análise da grande imprensa brasileira, no momento específico de 2005 e 2006, e isso criou uma onda que aparentemente queria derrubar o governo federal. E a partir disso o jornalista Paulo Henrique Amorim cunhou esse termo PIG e a gente usa esse termo nos blogues para se referir a essa velha imprensa, que tem tido um papel no mínimo complicado nos últimos anos no Brasil.

RNP: Como a afirmação de Serra sobre os “blogues sujos” foi recebido pelos Blogueiros Progressistas?

RV: Foi tratado na base da galhofa que é como merece ser tratado um candidato se referir dessa maneira aos blogues, ele que tem uma relação tão próxima com a velha imprensa. Ele na verdade fez o porta-voz da velha imprensa. A gente já não sabe mais se a imprensa que é porta-voz desse candidato ou se ele é porta-voz da velha imprensa. Então foi tratado assim na base da galhofa porque não dá pra levar a sério um negócio desse.

RNP: O Blog Cloaca News vai pedir explicações de Serra na Justiça sobre o que seria "os blogues", é isso?

RV: É, vai pedir que ele nomeie, pois ele fez uma referência genérica. Aí o Cloaca News - que é um blog que mistura investigação com bom humor - disse que vai interpelar o Serra judicialmente, para que o candidato diga quem são esses blogues que ele considera “blogues sujos”. E o Paulo Henrique Amorim, durante o Encontro de Blogueiros, propôs que a gente desse um prêmio ao Serra de twittero cascão por disseminar sujeiras em certos momentos pela rede de computadores.

RNP: Como você avalia o papel dos blogues nesta eleição?

RV: Aquilo que a gente faz é um contraponto, eles já não falam sozinhos. De 2005 para cá, os jornais e as revistas - que eu chamo de velha imprensa - caminharam de um lado só. Todos passaram a fazer oposição ao governo federal. Não que o governo não mereça críticas, há muitos temas em que a crítica deve ser feita e quando há corrupção o jornalista tem que mostrar, mas foi uma coisa unilateral. A tal ponto que a presidenta da Associação Nacional dos Jornais (ANJ), Judith Brito, que é também diretora da Folha de S. Paulo, disse que dada a fragilidade da oposição partidária a imprensa passava a fazer o papel de oposição. Eles dizem que são isentos, mas não existe essa história de isenção completa na imprensa. Eu acho que a pessoa pode ter um lado, mas deve se prender a verdade factual. Por isso que os blogues crescem tanto, por culpa também do péssimo serviço de informação que a velha imprensa brasileira faz em nosso país.

RNP: Durante o encontro vocês também deixaram claro o apoio à Ação Direta de Inscontitucionalidade (Adin), que o jurista Fábio Conder Komparato entrou no Supremo Tribunal Federal. Essa ADIN é para regulamentar artigos da Constituição sobre comunicação?

RV: O professor Fábio Conder Komparato vai ingressar, ele ainda não ingressou. Ele vai ingressar em nome de entidades na área de comunicação, com apoio de centrais sindicais e sindicatos e dos blogueiros do Encontro Nacional dos Blogueiros. É uma ação pedindo que o Estado faça cumprir o que está na Constituição. Há vários artigos da área de comunicação que não são cumpridos, por exemplo, o que diz que não pode existir oligopólio e propriedade cruzada dos meios de comunicação. [Hoje] uma única família é dona do rádio, da televisão, do jornal, da internet, da TV a cabo. Não dá. É muito poder concentrado e a Constituição veda isso. Mas o Brasil não coloca isso em prática por causa do poder dessas famílias. Então o Brasil tem que questionar o poder dessa meia dúzia de famílias que ainda mandam na comunicação brasileira


LINKS


segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Network é tudo



O Caderno de Empregos da Zero Hora desse último domingo me disse o que já sabia: que tenho que ativar logo o Network. Esse instrumento, conhecido popularmente como rede de contatos, é uma excelente ferramenta para um profissional crescer na carreira e se manter no mercado. Ou, no meu caso, para se recolocar nele.

Trocar de estado é complicado para quem comete o erro de anular os contatos anteriores, como eu fiz. Mantive apenas os meios de comunicação familiares. Não me preocupei em manter os dados atualizados referentes ao grupo de amigos e de colegas. Agora o que me resta é resgatar todos eles e inseri-los no meu network. E para não perder tempo também terei que atualizar meu mailing de colaboradores e parceiros de frilas [e outros trabalhos], ao mesmo tempo em que busco um novo espaço nesse chão.

Então gente, ajuda nunca é demais. Quem for da minha rede de relacionamentos, por favor, envie um e-mail com todos os seus dados de contato. Preciso reconstruir meu network. E logo. Valeu!

DICAS [Fonte: Zero Hora]

Para que serve o network

- Ter acesso a oportunidades no mercado de trabalho
- Captar informações relevantes para seu dia a dia
- Divulgar seu trabalho
- Obter novos clientes
- Solicitar e dar conselhos
- Captar recursos financeiros para um projeto
- Recomendar serviços

Como construir uma rede de relacionamentos

- Liste as pessoas que você conhece e procure mantê-la sempre atualizada
- Mantenha a sua rede informada suas atividades profissionais: mudança de emprego, novo empreendimento, artigos publicados, entrevistas, etc.
- Seja proativo. Não espere que o outro tome iniciativa.
- Promova seu perfil nas principais redes de relacionamento
- Freqüente cursos, palestras e convenções
- Participe de associações, comitês e entidades
- Mostre-se disponível para ajudar as pessoas de sua rede dentro de suas possibilidades
- Procure conhecer as pessoas mais influentes em sua área de atuação

Quem pode constar na lista

- Clientes
- Fornecedores
- Mestres e professores
- Colegas e ex-colegas
- Amigos de infância
- Familiares

sábado, 26 de junho de 2010

O que é do amanhã, ao amanhà pertence [Fim]

Esperando o amigo Iaran terminar de gravar
para entrevistar o prefeito diplomado de Videira


Ontem foi o fim do contrato de trabalho com o Jornal Correio de Videira. Foram tempos interessantes. De relax e de muito estresse. Ao longo desses 32 meses teve momentos em que trabalhei muito e outros nem tanto assim. Essa semana foi light na minha avaliação, mas ontem não...

Para quem tem que produzir, mostrar serviço, a Copa do Mundo só atrapalha. Quem quer dar entrevista durante os jogos? Do Brasil então, nem se fale. É como se fosse feriado nacional. No país onde tudo é carnaval ou futebol, não é de se admirar isso mesmo. Mas convenhamos: êta atraso de vida!

Mesmo assim, no final deu tudo certo. Conclui minha duas pautas, mais minha coluna [que o ex chefe não quis publicar]. Ainda deu tempo de descer até o centro para comprar acessórios para uma festa a fantasia a noitinha e pegar parte da mesma com um amigo. Fechei o dia e o contrato de trabalho. Agora é partir para o acerto de contas.

Não sei o que será do amanhã. Mas, o que é de hoje estou fazendo hoje. O que é do amanhã, ao amanhã pertence, como disse a semana inteira. Não quero deixar nenhuma boa oportunidade passar, mas também não ficaria com fixação. Sei bem que preciso de um novo emprego. Logo. Mas sem neuroses. Por enquanto, o momento é de especulação. Oba!

quinta-feira, 24 de junho de 2010

...Vocês já sabem [IV]

Dia mediano para o trabalho. Sem carona fica difícil economizar tempo e ainda coletar dados para duas pautas, como disse ontem. Fui na primeira sugestão, que fica perto de casa. Sai cedo por que sei que o sindicalista chega e sai cedo também. Não sei para quê, mas isso não é da minha conta. Mesmo assim, o que temia aconteceu. Dei com as fuças na porta. Ele está viajando e só retorna para a sede sindical na segunda. Florianópolis... Até eu queria.

A segunda pauta do dia demorou. Sugestões de amigos, do tipo: “Minha rua está esburacada. Desde o início do ano já furei quatro vezes o pneu por causa das crateras que tem nela. A prefeitura só quer arrumar as ruas do centro e de bairros distantes, ali no acesso a universidade está uma buraqueira só...” Sinto muito amiga, mas não dá para eu legislar em sua causa. A Secretaria de Infraestrutura tem um cronograma e eles, de certo, vão recuperar aquela via, mas sabe lá quando...

Na segunda tentativa surgiu uma matéria, mas foi à tarde. Por causa do auxílio de uma amiga comunicadora ainda. Curso de Disseminação de Informações da Previdência. Eu sei, eu sei, mas era o que tinha para o momento. Fiz. Fraquinho, eu sei, sem foto também, até por que o encontro estava acontecendo numa distância que eu não poderia caminhar a tarde, quando já deveria estar redigindo e depois de uma manhã intensa de passadas. Foi sem photo. Por fim, uma nota de assessoria produzida por um amigo da cidade vizinha. Só pra complementar. Fim do dia!

Para amanhã já tenho uma suposta lista com três pequenas propostas de pautas. Destas, pelo menos uma tem que rolar. Nada majestoso, mas sem ansiedade ao final do prazo regulamentar. O bom é que nesta sexta feira já está confirmada a carona do futuro ex chefe [bem no dia do jogo do Brasil! Espero ele]. Enfim, como será o fim do contrato de trabalho, nada de ansiedades. Deixarei que o que for do amanhã, ah... Vocês já sabem!

Shiatsu e Acupuntura

Medicina tradicional chinesa ganha adeptos em Videira
.
FOTOS ÁLBUM PESSOAL
Terapias alternativas a medicina tradicional tem maior número de profissionais habilitados e ganha reconhecimento científico, além de ser adotada como tratamento complementar
ELAINE BARCELLOS
Jornal CORREIO@


Cada vez mais terapias alternativas como o Shiatsu e a Acupuntura vem ganhando adeptos nos países ocidentais. Hoje, esses dois tratamentos são vistos com bons olhos pela ciência, profissionais da medicina tradicional e pacientes. Aqui no meio-oeste catarinense, o farmacêutico e bioquímico Fábio Casagrande do Nascimento se interessou pelos preceitos da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), se especializou nessa área e hoje atua como terapeuta sob essas duas técnicas.

É ele que explica o que significa cada uma dessas terapias. O Shiatsu é um tipo de massagem desenvolvida no Japão em meados do século XIX, que se utiliza não de pressões, alongamentos e percussões baseados nos princípios terapêuticos da MTC e de um caráter meditativo durante seu procedimento. Ou seja, é uma massagem que proporciona um reequilíbrio físico e energético, agindo sobre músculos e articulações, liberando tensões e atuando sobre os sistemas nervoso, respiratório e circulatório.

Segundo Fábio, o Shiatsu é eficaz no tratamento do estresse, ansiedade, depressão, dores (de diversas causas e em diversas localizações), enxaqueca, na regulação do sono, intestino e na produção de relaxamento e bem estar da pessoa. “Em resumo, o Shiatsu é uma terapia que visa corrigir e prevenir disfunções físicas e emocionais, atuando na recuperação e manutenção da saúde”, esclarece o terapeuta, que também é acupunturista. Outra técnica oriental, que nos últimos anos vem alcançando maior difusão no Ocidente.

A acupuntura é uma técnica de tratamento que consiste no estímulo de pontos determinados da superfície da pele, onde o terapeuta utiliza agulhas durante o processo. “Ela age na causa do problema, como o shiatsu, mas com agulhas muito finas, descartáveis e específicas para acupuntura”, explica Fábio, que é pós-graduado no assunto. “É uma terapia complementar aos problemas de saúde que vem sendo procurada cada vez mais pelas pessoas por causa do maior número de profissionais da área da saúde habilitados no método. E também, principalmente, pelas comprovações científicas as quais essa técnica milenar vem conquistando fora do Oriente”, complementa o terapeuta.

Algumas pessoas com problemas de refluxo, constipação, fibromialgia, enxaqueca, dores em geral, insônia, ansiedade, depressão, estresse, síndrome do pânico, por exemplo, tem procurado na acupuntura uma forma de recuperação da saúde, sem o uso de medicamentos. Fábio tem tratado de uma paciente que sofre de enxaqueca crônica há aproximadamente 13 anos. Com sessões semanais de shiatsu e acupuntura associada, em 30 dias as dores já reduziram quase que 100%. Por consequência a paciente reduziu também o uso de medicamento, afirma ele.

Para realizar sessões de shiatsu e acupuntura, o terapeuta realiza a anamnese, uma entrevista que tem o objetivo de avaliar todos os problemas físicos e emocionais da pessoa. Para isso, ele utiliza algumas técnicas, como a análise dos cabelos, olhos, punhos e a verificação da pulsação. Dessa forma, o tratamento é direcionado a pontos específicos do corpo, embora a terapia busque o equilíbrio geral de energias. Cada sessão terapêutica dura em média 60 minutos, com exceção do primeiro encontro, que também inclui a anamnese.




SERVIÇO
Shiatsu e Acupuntura
(49) 3566.1233 ou 9142.3422
Fábio Casagrande do Nascimento
Atendimento em Videira todas as quartas-feiras, com hora marcada

quarta-feira, 23 de junho de 2010

O que é do amanhã... [III]


Tem dias que tenho pena da minha bolsa e de mim

Me passei hoje. Sozinha na lida, tive que buscar uma pauta pelas proximidades da base de trabalho. Por sorte não precisei carregar tudo isso que fica dentro da minha bolsa. Ganhei carona. Ela pesa demais sobre os meus ombros para andar a pé. Netbook, bloco, caderno, nécessaire, canetas, celular, máquina fotográfica, cabo de energia são alguns dos itens que a compõe. Ela suporta muito mais...

É difícil produzir duas pautas diárias aqui na cidade, que é pequena. Assim como é difícil ter factual frequentemente. Mas o jornal vai às ruas de terça a sábado e tem que ter notícia local, sem ser só de assessorias. E apurar informações com esse porta tudo a tiracolo, lomba acima ou rua abaixo, não é moleza.

Consegui uma, embora tivesse duas alternativas. Tudo na corrida, na pressão para entrar na edição do dia seguinte. Depois de tudo finalizado é que me dei conta de que havia uma nota de gaveta, com foto ainda, para complementar a pauta do dia. [So sorry] Fica para amanhã. O atemporal é assim, pertence sempre ao amanhã.

ESTUDO

Metade dos jornalistas brasileiros mantém blogs
.
Uma enquete feita para o livro "The Global Journalist 2", que será lançado ainda este ano, apontou que 51,2% dos jornalistas brasileiros são blogueiros. A enquete tabulou respostas de 624 profissionais de jornais, revistas, rádios, TVs, assessorias de imprensa e órgãos públicos. O estudo foi conduzido pela jornalista brasileira e professora associada da California State University de Long Beach (EUA) Heloiza Herscovitz.

O resultado aponta que 67,6% dos jornalistas usam algum tipo de sistema de mensagens instantâneas e 65,1% mantêm perfis em redes sociais como Facebook e Orkut.

Mesmo com a popularidade do Twitter, o estudo mostrou que muitos jornalistas brasileiros ainda não adotaram o microblog, que é usado por 46,2% dos profissionais. Apenas 17,5% disseram já ter assistido a webcasts ou a vídeos online, e somente 10,5% usam programas para analisar dados, como o Excel.

Fonte: Comunique-se

terça-feira, 22 de junho de 2010

O que é do amanhã, ao amanhã pertence [II]



Uma "rapinha" com o ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi (PDT)
.
Terça feira tranquila. Saída tardia para o trabalho na cidade vizinha. Apuração de uma matéria extensa de polícia, sobre o possível envolvimento de um assaltante confesso de um taxista de Fraiburgo (SC) no caso de latrocínio a outro taxista da cidade onde vivo [ainda]. Parece confuso, mas não é. Ou pelo menos tentei deixar claro que se tratava de apenas um afoite policial.

A manhã foi sobre isso. Três entrevistas curtas, mas demoradas nas tratativas. O Resultado foi uma matéria bem abrangente, com vários detalhes e depoimentos completos sobre o caso mais atual. E uma promessa de revelações sobre o caso de 40 e poucos dias atrás.

Na curta viagem de ida, uma tentativa da chefia para encerrar o mês. Não respondi. O que não significa que quem cala consente. Ao contrário. Foi um silêncio contraditório. Quem quer trabalhar por mais três dias quando se está decido a reportar em outras paragens?

Na curta viagem de volta para casa, uma tentativa de agendar reunião trabalhista. A ideia é fazer o acerto logo. Definir um acordo sobre o valor referente ao tempo de trabalho, férias, entre outros quesitos. De cara uma defensiva, mas também a manifestação de fixar um pacto amigável e registrado na Justiça. Assenti.

Até o momento tudo segue a contento. Amanhã é quarta feira. Dia do sofá para os namorados. Meio da semana para os trabalhadores. Tudo indica que será um dia medianamente bom. Mas não irei me antecipar, mesmo que a poucas horas do dia seguinte, por que afinal, o que é do amanhã, ao amanhã pertence.
.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

O que é do amanhã, amanhã pertence...


Eu [desconfiada], entrevistando o então secretário da segurança Ronaldo Benedet

Hoje começou minha semana de despedida do jornalismo diário em Videira. O dia iniciou como imaginei que seria. Bom! Pela manhã segui minha intuição e fiquei na cama até as 9 horas. Horário em que deveria estar alinhada para a batalha do cotidiano de uma repórter. Daqui uma semana não sei o que será da minha segunda feira. Mas se for como hoje, está bom demais.

Trabalhei em casa o dia todo. Havia uma matéria apurada, de gaveta, que redigi lentamente no final da manhã. A outra já sabia o que seria. Um balanço dos acidentes do final de semana, que teve a morte de mais um jovem motociclista. Talvez, amanhã, o dia seja duro. Frio, úmido e triste na busca por notícias detalhadas sobre a vida desse jovem. Mas não vou pensar nisso hoje. O que é do amanhã, amanhã pertence. Pronto!

domingo, 6 de junho de 2010

TURISMO

Organize-se antes de sair de férias
Rosana e Sérgio são cuidadosos na hora de preparar a viagem de férias, em busca de novas culturas, conhecimento e belezas naturais

ELAINE BARCELLOS DE ARAÚJO
Jornal CORREIO DE VIDEIRA

Conhecer novas culturas, povos, atrativos naturais e um pouco da história de uma cidade, região ou país são os motivos que levam Rosana Kokuszka e Sérgio Stolovas a viajar pelo Mundo. O casal reserva as férias para se estenderem por algum lugar desconhecido ou para rever locais que gostaram de estar. Para que tudo saia bem ao longo do passeio, os dois começam a preparar a viagem com antecedência, independente o destino for uma região brasileira ou não.

Para começar, os dois engenheiros agrônomos organizam uma lista de atividades a serem realizadas para programar a viagem. Segundo eles, uma boa pesquisa sobre o lugar a ser conhecido, bem como um guia de viagem são itens que constam no check list. “Geralmente o que nos motiva é o interesse por conhecer ou curtir novamente um lugar. Começamos avaliando as possibilidades de alojamento confortável, a preço razoável, além de tudo que se relaciona aos componentes do investimento”, explica Sérgio.

Eles escolhem os locais a serem visitados, e o trajeto a ser feito, com antecedência. Se for um lugar com muita procura, as reservas de hotéis é o ponto inicial. “Eles geralmente resultam num componente importante das custas e a internet possui muitos fóruns nos quais pode se achar opiniões e sugestões relevantes. Sempre conseguimos informações muito mais confiáveis que qualquer outra fonte. Por exemplo, nem sempre ficar no centro da cidade é o melhor, mas será bom contar com meios de transporte e acesso razoável aos centros de atração”, indica Rosana.

A compra das passagens, com antecedência, ajuda na oferta de preços promocionais. Analisar os custos de alimentação, ou de acesso aos lugares de interesse também são itens a serem analisados para que ocorra tudo bem. Os viajantes consideram esses procedimentos prévios ações básicas para garantir o divertimento e para não estourar o orçamento nas férias ou depois delas.

“Prever os gastos com hospedagem, transporte, alimentação e um dinheirinho extra para umas comprinhas ajuda a compor o orçamento e fazer uma previsão do custo total da viagem. Para isso é importante que se faça uma boa pesquisa sobre estes itens para se chegar a um valor total máximo a ser gasto durante a viagem”, pontua Rosana.

Os dois já visitaram a Argentina, o Uruguai, o Chile, Venezuela, Cuba, França, Itália, Espanha, entre outros países. No Brasil, já passearam pelo Nordeste e o Sul do país, entre eles o litoral paranaense e catarinense. Os próximos pontos turísticos nacionais da lista estão Bonito e Chapada Diamantina.

DICAS

Parque Provincial do Aconcágua - Argentina

Venezuela ou Cuba
Uso de milhas acumuladas para a compra das passagens aéreas ajuda nas despesas. É bom consultar lugares a serem visitados antes e as moedas locais. Importante evitar período de alta temporada.

Europa
Imprescindível reservar antecipadamente as acomodações em hotéis e ter o roteiro pré-definido. Muita atenção com os vôos internos e as bagagens. Há limite por passageiro a ser transportado. E os passeios alternativos têm preços muito elevados.

Chile
A viagem de carro precisa ter o trajeto delimitado para prever os gastos com combustível e saber as condições das estradas. Também é bom ter reserva antecipada dos hotéis ao longo do trajeto. Consegue-se aproveitar os baixos preços com alojamento na Argentina em hotéis de luxo. Já no deserto, muita atenção com os hotéis. Os preços são altos e há pouca infraestrutura.


Coliseu - Itália

FOTOS ÁLBUM PESSOAL

quinta-feira, 20 de maio de 2010

BICICLETAS


Morros e aclives desgastam veículo


Para passeio, esporte ou trabalho.
A bicicleta em Videira é uma alternativa veicular que possui adeptos
até mesmo para subir morros ou percorrer longas distâncias

ELAINE BARCELLOS
Jornal CORREIO DE VIDEIRA


Difícil de acreditar, mas tem muita gente que anda de bicicleta por Videira e não só na via pavimentada e plana. Jovens utilizam o veículo para se locomover entre um bairro e outro e ainda se aventuram a subir e descer os morros da cidade. Outras pessoas até se locomovem para o local de trabalho com uma bike. Porém, de acordo com o mecânico de bicicletas Rodrigo Tadeu Tovaiol, eles estão em número bem menor. O mais comum são os modelos infantis, utilizados para o lazer e a brincadeira da criançada, que pouco saem de casa.

Rodrigo estima que cerca de quatro mil bicicletas faça parte do dia a dia das pessoas nos últimos três ano. Ele diz que só na Vilpe Bikes, onde trabalha, costuma montar uma média de 500 novas unidades ao ano, de marcas e modelos nacionais e importadas vendidas no comércio local. “Tem bastante bicicletas por aí, mas a gente não costuma vê-las nas ruas, circulando. A maioria está em casa, com as crianças, que são os modelos infantis”, complementa o montador.

Na loja, localizada no bairro Dois Pinheiros, ele diz que costuma consertar muitas delas. A mais utilizada pelos jovens é o modelo Cross. Comenta que são eles que andam de bike pela cidade, subindo e descendo morros, e por isso estão sempre ajustando algum item, pois o desgaste com as elevações e pavimentos irregulares é muito grande. “Elas estragam bastante por causa dos morros que têm em Videira. Essa é a causa do desgaste maior e, geralmente, preciso trocar rolamentos, freios e desentortar eixos”, diz o mecânico. Para os mais moderados com o veículo, ele aconselha uma revisão a cada três meses. “Vai depender do perfil do usuário e do modelo, mas, quem usa a bicicleta todo dia, e em qualquer lugar, aparece aqui pelo menos uma vez na semana”.

O técnico comenta que os modelos cross, dal rio e mountain bikes são os utilitários mais comuns para a prática esportiva, sendo o primeiro mais o líder entre os usuários jovens para locomoção. “A bicicleta é um veículo muito usado em termos de esporte e lazer. Só para o trabalho que não é tanto assim”, opina Rodrigo.

No mês de junho, a Vilpe Bike completará três anos de oficina e loja na cidade. A idéia de abrir o negócio surgiu com Pedro Oliveira, que na época queria ter uma atividade alternativa para a atividade que desempenha atualmente. O funcionário público pretendia se aposentar e arriscou no ramo de comércio de bicicletas, peças e manutenção. Ele garante que deu certo. “Estou satisfeito com a escolha, pois o ramo de atividade está bom e se desenvolvendo”, finaliza o empresário.

FOTO: GOOGLE

domingo, 16 de maio de 2010

Quero a sorte de um trabalho tranquilo


Trabalhar num jornal diário tem seus benefícios. Um deles é o amadurecimento do profissional em relação à organização e busca de pautas, público alvo, formação de leitor crítico e ainda melhoramento na apuração. O repórter tem que ser mais ágil, estar com as idéias articuladas, ser perspicaz. Sinto-me mais confiante depois de aproximadamente 12 meses nessa rotinha.

Agora, quem começou a experiência de repórter em semanal ou quinzenal, não reclama. É uma vida mais tranquila. Preparar uma pauta que será abordada com mais capricho, profundidade e com a possibilidade de abordar mais de uma linha de pensamento é o encanto desses periódicos.

Estou deixando o jornalismo diário. Não sei se por pouco ou se para sempre, mas meu desejo é não mais me infiltrar nesse mercado. Judia demais do profissional, principalmente no interior, onde tudo é ao gosto do patrão. Eu não tenho mais idade para isso não. Quero a paz de um semanal, quinzenal ou de uma revista mensal ou especializada. Ou a agitação organizada e harmônica de uma assessoria. Qualquer movimento a mais, considero fora da minha faixa etária [sorriso].

Mas, quem sou para saber como o mercado jornalístico de uma capital irá me receber. Por sorte estou munida de muita vontade e disposição. Depois eu vejo o resto...

COPA

Oito dias na África ou 30 na Europa





Valores elevados inibem as viagens à África do Sul. Passagens aéreas e hospedagem são os maiores vilões dos amantes do futebol brasileiro para esta edição da Copa do Mundo





ELAINE BARCELLOS
Jornal CORREIO DE VIDEIRA


A menos de 60 dias para o início da Copa do Mundo da FIFA 2010, torcedores de todos os lugares planejam as suas viagens de modo a garantir um lugar no primeiro mundial a ser realizado em solo africano. Para os brasileiros, o momento esperado acontece a partir de 15 de junho, quando a seleção do Brasil estreia no campeonato. Porém, quem quer conferir a primeira rodada dos jogos e ainda fazer turismo pelas cidades africanas que serão sede do campeonato, tem que se apressar.

Quanto mais tempo os interessados levarem para contratar um pacote turístico, mais caro ele fica. Segundo a Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), os preços dos pacotes para a África do Sul podem chegar até R$ 41 mil por pessoa. O alto valor para a viagem obrigou as operadoras a criar pacotes “bate-volta”, que custam menos e permitem ao torcedor a assistir a apenas um jogo da seleção brasileira.

De acordo com o Grupo Águia, que reúne as operadoras de turismo credenciadas pela FIFA para comercializar os roteiros, já foram vendidos aproximadamente 5,1 mil pacotes. A expectativa das empresas é vender um pouco mais: 5,5 mil dólares, contra os sete mil comercializados para a Copa 2006, na Alemanha.

O mais acessível deles consultado pela Agência de Turismo Átria Viagens, de Videira, está saindo por U$ 7 mil. Ele oferece ao consumidor a hospedagem em hotel durante oito dias, com café da manhã; translado de ida e volta aos jogos; um ingresso para uma partida da primeira fase, no valor de U$ 160; um passeio e o seguro de viagem internacional. As passagens aéreas com saída e chegada em São Paulo, mais as taxas de embarque, não estão inclusas nesse valor. Somente o translado até a África do Sul teria um custo adicional de U$ 1,850.

A agente de turismo da Átria, Denise Frühauf, estima que a viagem completa oferecida por esta operadora fique em torno de U$ 10 mil, sem as despesas locais e as demais refeições. Segundo ela, uma viagem de turismo para a África do Sul se torna mais cara devido as longas distâncias dos translados, que acontece por via aérea, mais a hospedagem, que em vista de um evento mundial, tem as diárias elevadas. “Hoje, a lâmina de valores para o pacote turístico de oito dias, mais em conta, para a Copa na África do Sul fica em torno de R$ 20 mil por pessoa. Com este mesmo recurso, pode-se fazer um tour pela Europa durante até 30 dias”, comenta Denise.

Para deixar mais em conta as viagens, o cliente pode contratar os serviços separadamente. Porém, Denise não recomenda esta opção devido o risco da pessoa não conseguir hospedagem e nem ingressos para os jogos quando desembarcar no continente africano. Em todo o Brasil, as agências comercializam pacotes para o Mundial da FIFA na África do Sul há dois anos. Aqui em Videira e no Meio-oeste, por meio da Átria, nenhuma pessoa contratou os serviços turísticos, sendo a procura esporádica. “Desde o ano passado as pessoas nos contatam para saber valores, mas tem sido uma média de uma por mês”, complementa.

O primeiro jogo da seleção está marcado para o dia 15 de junho, às 15h30, no Estádio Ellis Park, em Johanesburgo, contra o time da Coréia do Norte. O segundo acontece cinco dias depois, 20 de junho, no mesmo horário e cidade, mas no Estádio Soccer City, contra a seleção da Costa do Marfim. Já o último da primeira rodada é dia 25, na cidade e Estádio Durban, às 11 horas - sendo todos no horário de Brasília.


LOCAIS DOS JOGOS NA ÁFRICA DO SUL

Bloemfontein (Mangaung)
Estádio
Free State
Cidade do Cabo
Estádio
Green Point
Durban
Estádio
Durban
Johanesburgo
Estádios
Ellis Park e Soccer City
Nelspruit
Estádio Mbombela
Polokwane
Estádio
Peter Mokaba
Port Elizabeth
Estádio
Nelson Mandela
Pretória (Tshwane)
Estádio
Loftus Versfeld
Rustenburg
Estádio
Royal Bafokeng

FOTO: GOOGLE - Copa das Confederações na África do Sul em 2009
TEXTO: Publicado em abril na mídia impressa e não atualizado e nem adaptado para a internet.



quarta-feira, 7 de abril de 2010

Feliz: Dia do Jornalista!




Hoje é dia para reforçar nossas energias e continuar lutando. Comemorar só quando devolverem nossa dignidade profissional. Conquistada por muitos a cada dia sob sol ou chuva, frio ou calor. Às vezes com fome, ora cansado, um pouco desanimado ou, quem sabe, ainda iludido. Para isso, estão lá no Congresso Nacional as nossas PECs. Quando aprovadas dá para se dizer que será um bom motivo para comemorar. Que seria um dos dias do jornalista a festejar.

Enquanto isso temos que continuar lutando, nos aperfeiçoando, nos policiando, doutrinando, profissionalizando e outros gerúndios afora. Não dá para ficar lamentando sempre. Tá. Uma vez ao ano - ou seja, a cada 7 de abril - tudo bem. É válido. É manifesto. Mas no dia seguinte, e até um dia antes, se continua na luta por nossos direitos. Por respeito. Por melhores empregos.

Já não temos aposentadoria especial. Isso perdemos lá se vão mais de 15 anos. Também não existe prisão especial. E sim, do jeito que nossa profissão é desrespeitada por qualquer motivo, de certo, poderemos ser presos. Afrontados. Os salários são ridiculamente insignificantes e a categoria cada vez mais frágil. Para piorar, nosso presidente quer restituir alguns mecanismos cerceadores da imprensa. Dá para dizer que é quase uma reedição do AI5.

É. Dia 7 de abril. É hoje! Resta-me dizer aos colegas que, apesar disso e todas as agruras da profissão que cercam nosso cotidiano, ainda vale a pena. Se tivesse que enfrentar e vencer cada dificuldade passada, novamente, assim eu faria. Pois, meus caros, eu amo o jornalismo. Eu amo ser jornalista.

Parabéns a todos os colegas de profissão. No final, sem falsa modéstia, nós realmente merecemos.

terça-feira, 23 de março de 2010

PAIS & FILHOS

Filhos gêmeos,

preparação em dobro




A designer Ana Paula e o comerciante Ilson

se preparam para a vinda dos primeiros filhos,

os gêmeos Sophia e Vicenzo,

enfrentando todas as dúvidas de pais de primeira viagem

ELAINE BARCELLOS
Jornal CORREIO DE VIDEIRA


Ana Paula Andrade Lima Matzenbacher Rigo e Ilson Rigo vivem o sonho de ter filhos e em três meses ele será realizado. A designer está grávida de seis meses, de gêmeos: o Vicenzo e a Sophia. Depois de quase dez anos de casamento, os dois sentiram-se preparados para a maternidade e a paternidade e hoje eles curtem a gravidez dos filhos. Mas, como toda mãe de primeira viagem, Ana tem dúvidas, mas também tem muita alegria.

O casal descobriu a gravidez em setembro do ano passado. Dois meses depois, veio a notícia de que eram dois, ao invés de apenas um filho. No quarto mês de gravidez, eles souberam o sexo dos bebês bivitelinos, que já ganharam rapidamente ganharam nomes, além de mimos de pai e mãe. “A espera de um filho já é uma benção, dois então é ter a graça em dobro”, comenta Ana feliz pela maternidade tão esperada.

Mas o bicho papão das mães com a primeira gestação são as dúvidas. A maior preocupação de Ana, que já tem todos os cuidados com os bebês e sua saúde, é se será uma boa mãe. “Eu estava me preparando para atender a um, agora que são dois, a preocupação é em dobro. A única certeza que tenho é a descoberta do amor verdade, disso eu não tenho dúvidas”. Como referência, ela tem sua mãe. É em Deucélia e no relacionamento entre as duas, que se baseia para a sua próxima experiência de vida. “Se eu for com meus filhos 10% de como minha mãe foi comigo, eu já me dou por satisfeita”.

Psicólogos comentam que a preocupação e a ansiedade materna das mães com a primeira gestação é normal. Porém, eles alertam as gestantes para buscar evitar fomentar essas sensações, com práticas relaxantes, cursos de formação e a até, se necessário, acompanhamento psicológico. Os terapeutas também sugerem o envolvimento dos pais durante a gestação da mulher, o apoio e auxílio emocional para minimizar as dúvidas.

Nesse ponto, Ana Paula está bem amparada. Ela comenta que o marido, o comerciante Ilson, está sempre ao seu lado, ajudando e vivenciando esse momento, que deve terminar em maio, dando início a uma nova fase.


Dúvidas cercam as mães de primeira viagem



É normal as mães terem dúvidas durante a gravidez. Segundo a psicóloga Katiani Morais, elas ainda podem ser mais ou menos por causa da formação familiar. “A estrutura familiar contribui muito quando o casal tem o primeiro filho. Se ela é bem estruturada, se o companheiro manifesta apoio, reduz muito as expectativas em torno geradas ao longo da primeira gestação”, comenta.

De acordo com a analista, o desconhecido gera muitas preocupações, ansiedade, temores. A primeira gravidez traz, principalmente para a mulher com que o nenê há um vínculo maior, uma responsabilidade maior. Além de mudar as rotinas, tanto profissional, quanto pessoal. “Por mais que a mãe tenha nove meses para se preparar, as dúvidas ainda surgem. A primeira ligação do nenê é com a mãe e quando nasce, essa relação se estende para uma ligação de dependência. A criança passa ser uma extensão da mulher”, explica a psicóloga.

Ela ressalta que é importante que a mãe relaxe durante a gestação, procure não ficar ansiosa, não se preocupar. Katiani diz que a mulher tem que curtir a gravidez em todas as suas vezes. Vivenciar esses momentos. A psicóloga ainda dá dicas: “busque informação para dissipar as dúvidas e os fantasmas. Se forem em relação a saúde do bebê e dela mesma, informo-se junte ao médico. E quando o filho nascer, preste atenção nele e não somente nas coisas em volta dele”, finaliza.


FOTOS STUDIO C

domingo, 21 de março de 2010

Jornalista no Serviço Público gaúcho só com diploma

Foto Arfei Mazzei

Jornalistas gaúchos comemoraram na quarta-feira, dia 17, a aprovação unânime pela Assembléia Legislativa do RS do Projeto de Lei 236/2009 que torna obrigatório o diploma de Jornalismo para o exercício da profissão no serviço público estadual. Tal resultado surpreendeu o próprio autor do projeto, o deputado Sandro Boka (PMDB). “Confesso que fiquei surpreso com a unanimidade, mas esperava uma certa aprovação porque quando o STF derrubou o diploma, muitos deputados repudiaram a decisão”, explica. A FENAJ prossegue com a orientação de que se busque, nos estados, contato com os líderes de bancadas para acelerar a composição da Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisará a Proposta de Emenda Constitucional 386/09.Agora, o PL deverá ir para sanção da governadora Yeda Crusius (PSBD). “O Legislativo do Rio Grande do Sul deu um exemplo que deve ser seguido por todo o País. Foi uma resposta ao STF.


Agora só precisamos fiscalizar para que essa lei seja cumprida”, diz o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul, José Maria Rodrigues Nunes, que pretende solicitar uma audiência com a governadora e pedir a aprovação do projeto.
Foto: Arfio Mazzei

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Canadenses conhecem Videira e região


Melanie e David foram recebidos pela família de Patrícia, que há sete anos foi intercambista na cidade deles, em Castor, na província de Alberta


FOTO ELAINE BARCELLOS

CANADENSES SÃO RECEBIDOS POR INTERCAMBISTA VIDEIRENSE



ELAINE BARCELLOS
Jornal CORREIO DE VIDEIRA


Conhecer novos costumes, tradições e culturas. Esse foi o objetivo da primeira viagem do casal Melanie e David Robertson ao decidirem vir ao Brasil. Os dois, que já fizeram viagens de turismo individualmente, agora optaram por fazer um passeio, onde o foco fosse o aprendizado. Como primeira opção, os dois vieram à Videira, cidade onde reside a família da estudante Patrícia Nara Bonetti Ribeiro.

Hoje, a jovem tem 23 anos, mas, quando decidiu ser intercambista tinha apenas 15 anos. Patrícia optou por uma cidade do Canadá para fazer o estudo da língua inglesa e conhecer outra cultura. Foi na casa de Melanie e David, na cidade de Castor, que ela foi parar. “Eu fazia inglês desde os 7 anos e desde então eu sonhava em viajar. Quando minha professora voltou dos EUA, ela contou sua experiência em sala de aula e foi decisivo pra mim. Então, eu só escolhi o país”, conta a estudante.

Patrícia foi à primeira intercambista que os canadenses receberam em seu lar. Ela passou um ano, de agosto de 2002 a julho de 2003, na pequena cidade, que tem até hoje mil habitantes. Depois dela vieram estudantes japoneses e alemães para conhecerem a província de Alberta e aperfeiçoar os conhecimentos na língua inglesa. “Nossos filhos estavam crescendo e em pouco estariam em idade de sair de casa. Queríamos ter essa troca de aprendizado e aproveitamos para receber jovens estrangeiros”, comentou Melanie.

Sete anos depois da visita da estudante, que hoje cursa engenharia florestal, o casal decide retribuir a visita. Eles chegaram dia 9 ao Brasil e ficam até o dia 22. Aqui na cidade, eles já conheceram algumas localidades, entre elas um sítio na área rural de Videira, e o carnaval de avenida de Joaçaba. “Está sendo muito boa nossa viagem. Estamos conhecendo muitas coisas diferentes, além do clima, que é de 20 a 30 graus mais quente que o nosso”, comenta David. Ele é produtor rural e mantém em sua propriedade, criação de gado e búfalo, além de exercer outras atividades. Conforme a temporada, também exerce a função de marceneiro, jardineiro e construtor na sua comunidade.

Melanie comenta que o mais lhe chamou atenção em Videira foi a geografia, a flora, o clima e a culinária local. “Aqui tem muitos morros, muitas plantas, árvores e flores. Na nossa região não vemos verde assim, pois é muito frio. Nossa temperatura média é de 20 graus negativos”, comenta a diagramadora e responsável pelo departamento comercial do jornal de sua cidade, Castor Advance. Dos hábitos alimentares da região, ela ressalta a diversidade de legumes e verduras, além da variedade do cardápio para a hora do almoço. Costume que pretende adaptar em sua casa quando voltar.

O consenso entre as duas experiências foi a respeito da temperatura. Patrícia disse ter estranhado e sentido muito frio quando viveu em Castor. “Senti muita falta do calor quando estive lá, onde a temperatura era sempre abaixo de zero. Durante dois dias cheguei a pegar 55 graus negativos”, disse a jovem. Já o calor para os canadenses criou desconforto na hora de dormir. “Tivemos dificuldades com o clima quente. Nossos pés incharam e o calor às vezes não nos deixa dormir”, complementa Melanie.

Porém, no geral, tanto Patrícia, quanto o casal estão satisfeitos com o intercambio que vivenciam. Segundo eles, é um aprendizado que não esquecerão.


FOTOS DIVULGAÇÃO
1) FRIO É CONSTANTE NA CIDADE CANADENSE DE CASTOR
2) ESTRANGEIROS SE ENCANTAM PELO CARNAVAL DE JOAÇABA

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Justo. Justíssimo!

Jornalismo Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010 17:59



Ministério admite falha em norma para registro de jornalistas e problema deverá ser corrigido até o final desta semana


O Ministério do Trabalho e Emprego confirmou que houve falhas na comunicação interna sobre a norma para a emissão de registro para jornalistas. A orientação correta é para que os jornalistas diplomados na área recebam a distinção “Jornalista Profissional” e os que não possuem graduação específica, “Jornalista/Decisão STF”, mas a norma não estava sendo seguida por todas as regionais do Trabalho.
O órgão acatou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, em junho de 2009, derrubou a obrigatoriedade de diploma de jornalismo para o exercício da profissão. Conforme publicado no site Comunique-se, o ministério informou que o problema será resolvido até o final desta sema
.
Fonte: Coletiva.net

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Pulseiras do sexo ganham adeptos em Videira


Jovens aderem à moda dos braceletes coloridos, muitos sem saber de seu significado erótico. Na cor preta, a pulseirinha de silicone tanto pode manter sua inocência, quanto ter outro significado – sexo

FOTOS ELAINE BARCELLOS

Jovens usam braceletes como acessórios,
sem se importar com o significado das cores


ELAINE BARCELLOS
Jornal CORREIO DE VIDEIRA


Elas existem há anos. Os braceletes de silicone, coloridos, usados há gerações pelas meninas, este ano voltaram à moda, mas desta vez com outra conotação. São pulseiras comuns, que qualquer menina, e agora até os meninos, usa para ir ao colégio. Elas têm cores vibrantes e podem ter significado e aparência inocente, para quem assim quiser.

Thamyê Baseggio (17), modelo, comprou suas pulseiras em São Paulo, em novembro do ano passado. Ela já tinha visto muitas meninas usando o acessório em várias ocasiões e achava bonito. Procurou aqui na cidade, mas não havia encontrado. Para ela, o significado das cores é ignorado. “Eu sei que são conhecidas hoje em dia como pulseiras do sexo, mas esse contexto não me interessa, pois as uso como acessórios simplesmente”, afirma.

Assim com a jovem, muitos outros adolescentes e até crianças usam os braceletes como complemento do seu visual ou apenas por que “são legais”. Segundo Thamyê, quem faz as regras é quem as usa. A modelo, por exemplo, comprou quase todas as cores, e as combina com suas roupas, no dia a dia, independente de “modismos”.

As pulseiras foram erotizadas na Inglaterra. A moda chegou ao Brasil no ano passado, juntamente com seu modo de usar. Se o menino ou a menina arrebentar a pulseira de determinada cor, obrigaria o portador da pulseira a se submeter ao ato correspondente àquela coloração. Pulseira amarela, por exemplo, equivaleria a um abraço. Pulseira preta, a sexo.

O estudante secundarista, Guilherme Monfroi (15), também utiliza as pulseiras. Ele, ao contrário da amiga Thamyê, sabe o significado de todas as cores. A roxa, por exemplo, quer dizer beijo com direito a sexo. Ele conheceu os códigos depois de ler na internet sobre o assunto, mas também usa os braceletes como acessório para complementar seu vestuário. “Eu acho bonitas as cores dos braceletes e só busquei conhecer o que remete cada cor por curiosidade”, diz o jovem.

Não se sabe como surgiu esse código nem como ele se espalhou entre os adolescentes. Na Inglaterra, as pulseirinhas ganharam o nome de shag bands (algo como “pulseiras da transa”). Lá também surgiu o jogo chamado “snap” (estouro, na tradução do inglês) e o dicionário de cores. Não demorou muito para a novidade se espalhar pela internet e chegar ao Brasil. Redes sociais como Orkut e Facebook têm comunidades dedicadas aos fãs das pulseiras. E muitos jovens no Mundo usam shag bands como disfarce de suas intenções sexuais frente aos adultos ou pais.

Pulseirinhas têm grande procura em Videira

O estudante Bruno César Lima (15) segue a moda das pulseirinhas, mas não pratica os códigos das cores. Ele as usa por estilo, como seus colegas de colégio. O menino tem conhecimento do código das cores, mas afirma que não as segue. “Nunca estourei uma pulseira e também nunca vi ninguém fazer isso entre meus amigos. Acredito que se acontecer será de brincadeira”, comenta o jovem, que é filho da dona de uma loja de bijuterias e acessórios na XV de Novembro. “Muita gente estava pedindo pra ela as pulseirinhas, principalmente agora para o carnaval. Ela já aproveitou e trouxe para mim também”. Bruno tem quase todas as cores e junto com seus amigos e colegas de colégio, também as usa.

Em outra loja de acessórios, na Pedro Andreazza, os braceletes começaram a ser vendidos no final do ano passado. As vendedoras contam que o auge foi entre final de novembro e início de dezembro, quando surgiu a moda aqui em Videira. No último mês do ano, a procura foi intensa e começaram a encomendar mais unidades, devido a grande procura. Elas acreditam que com a volta às aulas, volte o “boom” pelo adereço.

Nesta loja, cada embalagem vem com 20 pulseirinhas, de uma só cor e são vendidas a R$ 1. A procura é diversificada: meninos, meninas e mães que atendem ao pedido das crianças. Maria Bernadete Veiga comprou dois pacotinhos para o filho de 10 anos, Lucas Hiago. Ela comprou o acessório sem saber dos códigos, mas não percebe maldade no uso dos braceletes coloridos. “Hoje, as pessoas estão mais abertas e acabam desenvolvendo menos pré-conceitos. Eu, por exemplo, não vejo maldade em crianças e jovens com essas pulseirinhas. Depois, o Lucas já recebe orientação sobre sexualidade na escola desde a 3ª série, e ainda assim mantém a inocência. A maldade está na cabeça das pessoas”, diz Bernadete ao saber sobre as shag bands.


FOTO: Bruno pediu para a mãe lhe trazer as pulseiras

sábado, 13 de fevereiro de 2010

TRT-RS confirma filiação de jornalistas não-diplomados

Jornalismo Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010 14:07

Sindicato deverá
cumprir o procedimento
normal de filiação

O Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul terá que filiar Edwin Rudyard Wolff Dick e Elisete Pereira de Souza, dois jornalistas não-diplomados. Esta é a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS). A Desembargadora Ana Luiza Heineck Kruse deferiu parcialmente o mandado de segurança interposto pelo Sindicato, com a tentativa de cassar a liminar concedida em primeiro grau.
A liminar mantém a ordem de emissão de carteira nacional e internacional de jornalista aos dois profissionais, mas muda a configuração da multa fixada na origem. O Juiz da 29ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, Rafael da Silva Marques, havia determinado a filiação em 24 horas e a emissão das duas carteiras em dez dias, sob pena de multa.
A Desembargadora determinou que o procedimento seja o mesmo adotado junto aos outros sindicalizados. Por exemplo, a cobrança de taxas e o encaminhamento do pedido da carteira internacional junto à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). A multa só incidirá caso o sindicato não cumpra o procedimento padrão.
Nos fundamentos do Juiz para o deferimento da liminar foi citada a decisão do Supremo Tribunal Federal pela não-obrigatoriedade do diploma. Na apreciação do ato, a Desembargadora releva que a filiação dos profissionais, enquanto discutida sua possibilidade, não acarreta qualquer prejuízo ao Sindicato.
Edwin Dick e Elisete de Souza comprovaram, com apresentação de matérias jornalísticas assinadas, que atuam como correspondentes de uma revista náutica. Entraram com ação na Justiça do Trabalho para garantir as carteiras de jornalistas. O Sindicato, em sua defesa, alegou que a carteira não é necessária para o exercício da profissão.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Acordo Ortográfico (I)


.
Gente, de onde veio esse quadrinho tem muitos outros. Aguardem a sequência da série.

domingo, 31 de janeiro de 2010

CARNAVAL: Retiro é alternativa dos cristãos

FOTOS DIVULGAÇÃO: Retiro de Carnaval 2009


ELAINE BARCELLOS
Jornal Correio de Videira


Um carnaval com Jesus. Assim promete os quase três dias de folia, que os Jovens Transformados por Jesus (JTJ) estão organizando. O Retiro de Carnaval (diocesano), que este ano está em sua segunda edição, acontece de 12 a 14 de fevereiro, em Videira. A coordenadora do grupo JTJ, Vanessa Pissaia, comenta que a programação contempla festas com bandas no final de semana, palestras, missas e momentos de confraternização.

O evento acontece na Casa de Retiros, antigo Seminário Divino Salvador, no bairro Floresta. O local possuiu infraestrutura adequada, quartos com banheiro e chuveiro para hospedagem, onde os jovens devem se preocupar apenas em levar roupas de cama. A recepção acontece a partir das 19h30 de sexta-feira, 12 de fevereiro e o retiro termina no domingo, 14, após o almoço de confraternização.



Grupo de Jovens Transformados por Jesus organiza evento que contrapõe a tradicional, mas que também conta com samba, pagado e axé, porém com músicas sacras


Na programação haverão músicas sacras em ritmo de marchinhas, samba, pagode, axé, entre outros ritmos, que serão executados pela banda de Fraiburgo, Brilho dos Anjos, na festa de carnaval de sexta-feira, após a realização de uma missa no local. No sábado, o dia será em companhia de padre João Luiz (Lebon Régis) e do pregador Ralf (Balneário Camboriú). Eles farão palestras ao longo do dia e participarão de dinâmicas com os jovens. No final da tarde, todos deverão estar presentes na missa na Igreja Matriz e à noite, mais uma festa de carnaval. Porém, desta vez com fantasias e ambiente decorado, ao som do Ministério da Música Tabernáculos, de Mafra. Para encerrar as atividades, domingo terá mais atividades religiosas e a confraternização durante almoço.

De acordo com Vanessa, o objetivo do Retiro de Carnaval é proporcionar uma alternativa de diversão aos jovens de forma saudável e com segurança. “Queremos mostrar que há uma alternativa de aproveitar o carnaval sem o uso de drogas e bebidas alcoólicas ou se envolvendo com tantos outros vícios. Não há ressaca e nem arrependimentos, é uma felicidade que não passa no dia seguinte”, afirma a jovem.

As inscrições para o Retiro de Carnaval estão abertas. Vanessa comenta que na primeira edição, em 2009, sobraram poucas vagas, mas para este ano, devido o sucesso entre os presentes no ano passado, a expectativa é de que as 100 vagas sejam preenchidas rapidamente. Os interessados no carnaval alternativo devem buscar mais informações por e-mail ou MSN: jtj.rcc@hotmail.com, pelo blog do grupo de jovens http://www.rccvideira.blogspot.com/ ou pelos telefones (49) 9981.1740 com Mari e 9986.2657 com Vanessa.

O custo unitário para o retiro é de R$ 50 até o dia 8 ou de R$ 60 após essa data. O pagamento pode ser feito durante as reuniões com os grupos de jovens, todos os domingos às 19h15 no Centro Paroquial de Pastorais da Igreja Matriz de Videira. Os participantes terão direito a dois cafés, dois almoços e duas jantas, além de lanches.

Seminário Divino Salvador, em Videira

SERVIÇO
O que:
Retiro de Carnaval 2010
Onde: Na Casa de Retiros – antigo Seminário Divino Salvador
Quando: Das 19h30 de 12 de fevereiro às 12h30 de 14 de fevereiro
Quanto: R$ 50 ou R$ 60

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

INTERNET: Campus party



Ex-blogueiros contam por que deixaram suas páginas
Izabela Vasconcelos, de São Paulo



Mais de 175 mil blogs são criados por dia, desse total, muitos abandonam suas páginas. No painel “Existe ex-blogueiros”, na Campus Party nessa quarta-feira (27/01), Gilberto Knuttz, criador do ueba.com.br; Gabriel Von Doscht, do dequejeito.interbarney.com; Rafael Capanema, do rafaelcapanema.interbarney.com; e Clarissa Passos, do garotasquedizemni.ig.com.br, moderados por Tiago Dória, discutiram alguns dos motivos que os fizeram parar de escrever.

Para Clarissa, havia retorno financeiro, mas faltou motivação para o blog que durou cinco anos. “Fizemos o 'garotas' em 2003 por pura diversão. Depois conseguimos um contrato com o IG, mas chegou uma hora que não estava dando mais prazer”. A jornalista disse que o espaço conseguiu muitos leitores e fez questão de explicar o fim do blog ao público. Gilberto Knuttz perdeu o número de blogs que começou e parou. Mas hoje está firme no CyberVida, com atualizações diárias.

Rafael Capanema, que hoje é repórter do caderno de informática da Folha de S.Paulo, também deixou de escrever por falta de motivação. “Os posts têm que ser espontâneos, não forçados. Já fiz dois pressionados e não ficaram bons”, afirma.

Os debatedores também citaram casos de plágios como um dos motivos que irritam os blogueiros, que muitas vezes não encontram onde se defender. “Um blogueiro sempre copiava meus posts, e ainda recebia comentários por eles. Quando o procurei, ele disse que eu que tinha invadido o computador dele para copiar os textos dele”, conta Von Doscht, que deixou sua página mas não a tirou do ar porque pretende postar alguma “vez na vida”, como ele mesmo explica.
.
Os blogueiros também têm que estar preparados para lidar com a pressão dos leitores, que cobram por atualizações e novidades. “Uma vez fiquei dois dias sem atualizar e me ligaram porque tinha um boato de que eu tinha sofrido um acidente”, lembra Von Doscht.

O moderador, Tiago Dória, que também é blogueiro, lembrou que “o blog é uma mídia de uma pessoa só, e por isso a pressão é maior”.

Quando deixam suas páginas, os ex-blogueiros procuram se expressar de outras formas, como por exemplo, pelo Twitter, Facebook ou outros trabalhos paralelos. Apesar disso, não acreditam que uma mídia substitua a outra. “As vezes dá vontade de voltar, mas o Twitter e Facebook quebram um galho. Mas cada um é uma plataforma diferente. O Twitter não vai acabar com os blogs”, declarou Clarissa.


Leia também: