quinta-feira, 20 de maio de 2010

BICICLETAS


Morros e aclives desgastam veículo


Para passeio, esporte ou trabalho.
A bicicleta em Videira é uma alternativa veicular que possui adeptos
até mesmo para subir morros ou percorrer longas distâncias

ELAINE BARCELLOS
Jornal CORREIO DE VIDEIRA


Difícil de acreditar, mas tem muita gente que anda de bicicleta por Videira e não só na via pavimentada e plana. Jovens utilizam o veículo para se locomover entre um bairro e outro e ainda se aventuram a subir e descer os morros da cidade. Outras pessoas até se locomovem para o local de trabalho com uma bike. Porém, de acordo com o mecânico de bicicletas Rodrigo Tadeu Tovaiol, eles estão em número bem menor. O mais comum são os modelos infantis, utilizados para o lazer e a brincadeira da criançada, que pouco saem de casa.

Rodrigo estima que cerca de quatro mil bicicletas faça parte do dia a dia das pessoas nos últimos três ano. Ele diz que só na Vilpe Bikes, onde trabalha, costuma montar uma média de 500 novas unidades ao ano, de marcas e modelos nacionais e importadas vendidas no comércio local. “Tem bastante bicicletas por aí, mas a gente não costuma vê-las nas ruas, circulando. A maioria está em casa, com as crianças, que são os modelos infantis”, complementa o montador.

Na loja, localizada no bairro Dois Pinheiros, ele diz que costuma consertar muitas delas. A mais utilizada pelos jovens é o modelo Cross. Comenta que são eles que andam de bike pela cidade, subindo e descendo morros, e por isso estão sempre ajustando algum item, pois o desgaste com as elevações e pavimentos irregulares é muito grande. “Elas estragam bastante por causa dos morros que têm em Videira. Essa é a causa do desgaste maior e, geralmente, preciso trocar rolamentos, freios e desentortar eixos”, diz o mecânico. Para os mais moderados com o veículo, ele aconselha uma revisão a cada três meses. “Vai depender do perfil do usuário e do modelo, mas, quem usa a bicicleta todo dia, e em qualquer lugar, aparece aqui pelo menos uma vez na semana”.

O técnico comenta que os modelos cross, dal rio e mountain bikes são os utilitários mais comuns para a prática esportiva, sendo o primeiro mais o líder entre os usuários jovens para locomoção. “A bicicleta é um veículo muito usado em termos de esporte e lazer. Só para o trabalho que não é tanto assim”, opina Rodrigo.

No mês de junho, a Vilpe Bike completará três anos de oficina e loja na cidade. A idéia de abrir o negócio surgiu com Pedro Oliveira, que na época queria ter uma atividade alternativa para a atividade que desempenha atualmente. O funcionário público pretendia se aposentar e arriscou no ramo de comércio de bicicletas, peças e manutenção. Ele garante que deu certo. “Estou satisfeito com a escolha, pois o ramo de atividade está bom e se desenvolvendo”, finaliza o empresário.

FOTO: GOOGLE

3 comentários:

  1. Eu adoro bicicletas mas tem que ser da honda e motorozida kkkkkk boa né

    ResponderExcluir
  2. Gringa esperta tu hein?! Hehehe. Com a corcunda cansada do jeito que ando, até eu prefiro esta.

    ResponderExcluir
  3. Olá, minha querida Rosa! Como andas? Imagino que atarefada, e isso é bom; sei que és uma boa profissional, e que andas sempre informada do que acontece aí na tua cidade e região.

    Bem, bicicletas são um meio de transporte pouco utilizado ainda aqui no Brasil. Há países como Holanda e China, onde faz parte do dia a dia das pessoas de todas as faixas etárias e classes sociais, mas aqui ainda não se usa tanto.

    E deveríamos, pois a bicicleta, além de não poluir e de não necessitar de combustíveis que talvez se esgotem em algum tempo, ajuda a manter a forma e a saúde.

    Beijos amiga, e tudo de bom.

    ResponderExcluir

Troque uma ideia comigo sobre essa profissão perigo...