domingo, 11 de setembro de 2011

É do ofício



Preciso praticar o texto jornalístico. Preciso melhor meu texto. A retomada do trabalho tem me mostrado que se faz necessário adequar a escrita tradicional com a literatura. O new journalism está aí há tempos mostrando a quem quiser que isso é possível. Por outro lado sou tão resistente...
Às vezes gosto dos blocos de palavras pesadas ordenadas no formato tradicional. Coladas na estrutura que ensinam nos bancos acadêmicos. A tal pirâmide invertida. Para mim, alguns assuntos pedem esse formato de cara, como editorias de economia e saúde. Por outro lado, sinto alívio ao poder abusar do estilo novo para falar de um caso de polícia ou ao traçar um perfil.
No entanto, passo acreditar que deve haver um meio termo para falar de commodities, por exemplo, sem deixar o leitor que se aventura no tema, entediado. O trabalho de assessor de imprensa faz exercitar a criatividade do profissional, pois temos que oferecer algo instigante aos colegas das redações. O follow-up fica mais fácil quando há interesse no produto do cliente, já no título do e-mail. Quem dirá na leitura do release...
O que sei é que o tempo urge nessa questão: aprimoramento profissional. Sempre! Afinal, quem quer progredir, crescer na carreira, evoluir, precisa prestar atenção no seu metier.